Israel e palestinos saúdam compromisso de Obama com a paz

Israelenses e palestinos saudaram nesta segunda-feira o discurso do presidente americano Barack Obama no Parlamento turco, os primeiros por seu compromisso com a paz e a segurança de Israel, e os segundos por seu apoio à criação de um Estado palestino.

AFP |

"Estamos imensamente felizes com as declarações do presidente Barack Obama confirmando o princípio de uma solução de dois Estados e da promoção de uma paz global no Oriente Médio", declarou por telefone à AFP um dos principais negociadores palestinos, Saeb Erakat.

Ele acrescentou que espera que "o governo israelense compreenda que o caminho que levará ao fim da ocupação dos territórios palestinos e árabes, desde 1967, e ao início de uma solução de dois Estados é a única via para a paz na região".

Já o governo israelense saudou em um comunicado o "compromisso do presidente Obama em favor da segurança de Israel e da busca pela paz".

"O governo de Israel está comprometido com esses dois objetivos e formulará sua política em um futuro próximo de forma a trabalhar estreitamente com os Estados Unidos para a obtenção desses objetivos comuns", acrescenta o comunicado.

Em um discurso no Parlamento turco, o presidente Obama afirmou nesta segunda-feira que "os Estados Unidos apóiam firmemente a solução de dois Estados, Israel e a Palestina, coexistindo em paz e em segurança".

"Este é o objetivo que as partes envolvidas se comprometeram a atingir no Mapa do Caminho e em Annapolis. Este é o objetivo que perseguirei ativamente como presidente", acrescentou.

Na semana passada, o novo chefe da Diplomacia israelense, Avigdor Lieberman, havia afirmado que seu país não estava vinculado ao processo de Annapolis (EUA) que relançou, no final de 2007, as negociações de paz entre israelenses e palestinos.

O novo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu se disse disposto a negociar um acordo de paz com a Autoridade Palestina, mas se negou a mencionar a criação de um Estado palestino.

Segundo uma autoridade israelense, Netanyahu pretende se reunir em maio com o presidente Obama.

Na Conferência de Annapolis, os líderes israelense e palestino haviam decidido negociar diretamente questões-chave como as fronteiras, o destino das colônias e de Jerusalém na perspectiva da criação de um Estado palestino.

O Mapa do Caminho é um plano de paz elaborado pelo Quarteto (Estados Unidos, União Europeia, Rússia, ONU) prevendo a criação de um Estado palestino. Mas sua aplicação, etapa por etapa, mostrou-se extremamente problemática desde seu lançamento em 2003.

na-dlm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG