Por Jeffrey Heller e Tom Perry JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse na quinta-feira que Israel espera iniciar na semana que vem negociações indiretas com os palestinos, aproveitando a visita do enviado especial do governo norte-americano para a região, George Mitchell.

Autoridades palestinas dizem que a mediação dos EUA deveria se voltar inicialmente para a definição das fronteiras do eventual Estado palestino na Cisjordânia e Faixa de Gaza.

"Nosso objetivo máximo é tentar alcançar um acordo de paz com os nossos vizinhos palestinos, por meio de negociações diretas", disse Netanyahu a jornalistas. "Mas sempre dissemos que não necessariamente insistimos no formato."

Com a bênção da Liga Árabe, os palestinos concordaram em manter quatro meses de negociações indiretas sob os auspícios de Washington, após mais de um ano de rompimento no processo de paz.

"Saúdo o fato de que este amadurecimento começou", disse Netanyahu. "Espero que leve ao começo das negociações, com a visita do senador Mitchell a Israel na semana que vem."

Muitos observadores, no entanto, duvidam dessa estratégia de "leva e traz". Mas o presidente palestino, Mahmoud Abbas, rejeita negociações diretas enquanto Israel não aceitar paralisar totalmente as obras de ampliação dos assentamentos judaicos na Cisjordânia. Netanyahu anunciou um congelamento parcial em novembro, que os palestinos consideraram insuficiente.

Em Ramallah, na Cisjordânia, o negociador palestino Saeb Erekat disse que a definição das fronteiras palestinas, dentro do prazo de quatro meses estabelecido pela Liga Árabe, é de suma importância.

Ele afirmou a jornalistas que não faz sentido discutir outras questões sem que antes Israel reconheça o "princípio dos dois Estados", conforme as fronteiras prévias à guerra de 1967, "com uma troca de terras acordada (entre as duas partes)".

Netanyahu propõe um Estado palestino desmilitarizado, mas não diz se estaria aberto a entregar terras de Israel para em troca manter os assentamentos judaicos construídos na Cisjordânia, território capturado por Israel na guerra de 1967.

(Reportagem adicional de Ali Sawafta em Ramallah)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.