Israel e palestinos aceitam plano de trégua em Gaza, diz Sarkozy

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, afirmou, em comunicado divulgado nesta quarta-feira, que Israel e Autoridade Palestina aceitaram o plano de trégua para Gaza proposto pelo Egito e pela França. Sarkozy não fez menção ao Hamas, o grupo que controla Gaza e luta contra Israel.

Redação com agências internacionais |


"O presidente comemora profundamente pela aceitação, por parte de Israel e da Autoridade (Nacional) Palestina, do plano franco-egípcio apresentado ontem em Sharm el-Sheikh", afirmou o Palácio do Eliseu no comunicado. Nicolas Sarkozy, conclui a nota, "pede o início deste plano o mais rápido possível, para que pare o sofrimento da população".

No entanto, Israel disse que teria aceitado em princípio os termos do acordo, que ainda estava sendo negociado. Um membro do alto escalão do Hamas disse à BBC que, apesar de "sinais positivos", ainda não houve um acordo em relação ao plano do cessar-fogo.

A agência Mena afirmou que o presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, viajará ao Egito para discutir a questão, citando como fonte o embaixador palestino no Cairo. Ainda não houve confirmação oficial de que a Autoridade Palestina aceitou o plano, embora Abbas tenha demonstrado apoio a ele em reunião na terça-feira, na ONU.

Horas depois do anúncio feito por Sarkozy, seu porta-voz, Franck Louvrier, usou um tom mais brando para se referir ao assunto. Segundo ele, a declaração de Sarkozy foi "uma reação ao fato de que, de acordo com diferentes interlocutores, eles aceitariam o plano apresentado na terça-feira como ponto de partida para uma discussão, o que permitiria renovar o diálogo".

Enquanto isso, informações de correspondentes da BBC na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza dão conta de que os bombardeios israelenses foram retomados, depois de uma pausa de três horas.

A agência AP noticiou que a Turquia terá papel fundamental na construção de uma força internacional para Gaza, citando informações de um diplomata do Oriente Médio que não quis se identificar.

Segundo o diplomata, a Turquia é a melhor escolha por estar envolvida em diversas missões de paz no Oriente Médio. No entanto, ele não explicou que tipo de papel essa força internacional desempenharia, e oficiais turcos não comentaram o assunto.

Proposta franco-egípcia

Na terça-feira, o Conselho de Segurança da ONU analisou a proposta de cessar-fogo apresentada pela França e pelo Egito, que recebeu apoio dos Estados Unidos e do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

Apresentado na reunião em Nova York pelo presidente egípcio, Hosni Mubarak, e pelo líder francês, Nicolas Sarkozy, o plano prevê a retomada do envio de ajuda humanitária a Gaza e negociações a respeito da segurança na fronteira entre israelenses e palestinos.

A proposta foi bem recebida pela secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, que pediu por uma trégua que seja "durável e que garanta a segurança".

Durante a reunião na sede das Nações Unidas, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, reiterou um pedido de cessar-fogo imediato.

Corredor humanitário

Também nesta quarta-feira, Israel anunciou a realização de pausas diárias de três horas nos bombardeios na Faixa de Gaza. O anúncio veio depois da decisão de Israel de aceitar a criação de um corredor para permitir o envio de suprimentos ao território palestino, onde vivem 1,5 milhão de palestinos.

A intenção da proposta, segundo o gabinete de Olmert, é "evitar uma crise humana" na região. Pelo plano, Israel vai suspender ataques contra áreas específicas de Gaza para permitir que os habitantes possam receber e estocar produtos de primeira necessidade.

Para John Ging, da agência de auxílio aos refugiados palestinos das Nações Unidas, a oferta israelense é um avanço na crise, mas a prioridade continua sendo o fim da violência na região.

12º dia de bombardeios


Leia também

Opinião

Vídeos

  • Exército de Israel e militantes palestinos intensificam confrontos (06/01)

  • Leia mais sobre: Faixa de Gaza

    Leia tudo sobre: faixa de gaza

    Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG