ícones terroristas por soldado sequestrado - Mundo - iG" /

Israel diz que não troca ícones terroristas por soldado sequestrado

Jerusalém, 10 jan (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou hoje perante um grupo de deputados de seu partido, o Likud, que não soltará ícones terroristas para conseguir a libertação do soldado Gilad Shalit, sequestrado em Gaza.

EFE |

"Não temos a intenção de libertar os grandes terroristas", disse Netanyahu, jogando um balde água fria sobre a possibilidade de uma troca com o Hamas, que governa Gaza desde 2007 e mantém cativo o militar israelense há quase quatro anos.

Até dezembro passado, as negociações entre as duas partes avançaram com a ajuda de um mediador alemão, e se acreditava que a troca de Shalit por mil palestinos presos em Israel era iminente.

No entanto, nas últimas três semanas parece que o acordo está mais distantes, entre outras razões por Israel se opor a deixar em liberdade presos palestinos de destaque, como o líder do braço armado do Fatah na Cisjordânia, Marwan Barghouti, e o líder da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), Ahmed Saadat.

Para Netanyahu, se trata de "ícones do terrorismo" que Israel não pode deixar em liberdade.

Outro obstáculo parece ser a exigência de Israel de que um grupo dos eventuais libertados, os mais violentos e que foram condenados por dezenas de casos de assassinato de civis em atentados suicidas, sejam deportados a Gaza ou ao exterior.

"É preciso evitar o retorno de terroristas ao território da Judéia e da Samaria", afirmou o primeiro-ministro israelense se referindo à Cisjordânia por seu nome bíblico.

A falta de avanços nas negociações se traduziu hoje em uma severa crítica do Hamas ao mediador alemão, Gerhard Conrad. EFE elb/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG