Israel diz que deu à Argentina nomes de responsáveis por ataque a embaixada

Buenos Aires, 14 mar (EFE).- Israel sabe quem esteve por trás e quem executou o atentado de 1992 contra sua embaixada em Buenos Aires, que deixou 29 mortos e centenas de feridos, e já deu conta dos responsáveis, afirmou seu embaixador na Argentina, Daniel Gazit.

EFE |

Gazit atribuiu o ataque ao Hisbolá, com apoio do Irã.

"Sabemos quem esteve por trás do atentado à embaixada, quem o organizou, quem deu as ordens e quem o fez, com nomes e tudo, e já demos conta deles", sustentou o embaixador israelense em uma entrevista ao jornal "Perfil" publicada hoje, a três dias do 18º aniversário do ataque.

Para Gazit, o responsável pelo ataque "foi o Hisbolá, e o Irã esteve por trás deles", mas considerou que "o que fica com as autoridades argentinas é a conexão local" porque, nesse ponto, Israel não sabe mais "do que as autoridades judiciais argentinas".

"Para a Embaixada, é importante esclarecer tudo. Há alguns criminosos locais que colaboraram com o terrorismo no país, o que não quer dizer que a Argentina os apoiou, mas o contrário", ressaltou o diplomata.

Porta-vozes da sede diplomática disseram ao jornal que os supostos responsáveis pelo atentado estão mortos, entre eles o libanês Emad Mughaniya, um dos líderes do Hisbolá, assassinado em Damasco em fevereiro de 2008.

À época, o Irã acusou Israel de estar por trás de sua morte.

Mughaniya era um dos homens procurados pela Justiça argentina pelo ataque à Embaixada e pelo atentado que em 1994 destruiu a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em Buenos Aires, que causou 85 mortos e centenas de feridos.

A Justiça argentina atribui a responsabilidade do atentado contra a Amia ao Irã e ao Hisbolá. Em 2007, a Polícia Internacional (Interpol) emitiu uma ordem internacional de detenção contra seis suspeitos iranianos pedidos pela Argentina, mas o Irã se negou a extraditá-los.

A Argentina inclusive iniciou neste ano negociações com o Irã para sondar a possibilidade de realizar um julgamento contra os acusados em um país neutro. Até o momento, não houve avanços nos contatos, admitiu a Interpol. EFE ms/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG