Israel deve aprovar novo projeto de assentamentos em Jerusalém

Plano que prevê construção de 1,4 mil residência para judeus pode ser aprovado na próxima semana, em novo golpe a processo de paz

Reuters |

Um plano para construir 1,4 mil novas residências para judeus na Cisjordânia pode ser aprovado até a próxima semana pela prefeitura israelense de Jerusalém, disse neste domingo um membro da Câmara dos Vereadores.

Meir Margalit disse à Reuters que a comissão de planejamento de Jerusalém vai decidir, em 24 de janeiro, sobre a construção de habitações em Gilo, um assentamento urbano construído em uma região que Israel anexou após a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

Reuters
Guindaste é visto em local de construção em Gilo, assentamento em terreno capturado por Israel em 1967 e anexado para sua municipalidade de Jerusalém
"É outro prego no caixão do processo de paz", afirmou Margalit, um membro do partido esquerdista Meretz, de oposição, sobre o projeto, que certamente atrairá condenação por parte de palestinos e da comunidade internacional.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, denunciou na semana passada a demolição de um hotel abandonado no leste de Jerusalém para a construção de 20 casas para judeus em um projeto de assentamento. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, respondeu publicamente dizendo que os judeus têm o direito de morar em qualquer região da cidade.

Os palestinos querem que o leste de Jerusalém, incorporado por Israel juntamente com a Cisjordânia, seja a capital do país que pretendem estabelecer. Os israelenses consideram toda Jerusalém como sua capital, uma reivindicação não reconhecida internacionalmente.

Um comunicado emitido pela prefeitura de Jerusalém informou que ela é obrigada por lei a discutir o plano para a construção das 1,4 mil habitações, que foi pedido por empresários privados.

A proposta ainda teria de ser aprovada pelo Ministério do Interior israelense, caso passe na Câmara dos Vereadores.

"Não vejo razão para não autorizar o plano", afirmou à Reuters Elisha Peleg, membro da comissão de planejamento de Jerusalém. "É ilegítimo que governos estrangeiros interfiram nos assuntos internos da prefeitura de Jerusalém, e nós rejeitamos isso."

Cerca de 500 mil israelenses vivem atualmente na Cisjordânia e no leste de Jerusalém, assim como 2,7 milhões de palestinos. Cerca de 40 mil judeus moram em Gilo.

A Corte Internacional disse que os assentamentos que Israel construiu na terra ocupada são ilegais. Os palestinos afirmam que os enclaves podem impedi-los de formar um Estado viável. Nabil Abu Rdainah, porta-voz do presidente palestino, disse que mais assentamentos poderiam representar "mais obstruções" no processo de paz.

    Leia tudo sobre: Israelnetanyahueuapalestinosassentamentosjerusalém

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG