Caracas, 28 jan (EFE).- O chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, disse hoje que a decisão israelense de expulsar dois diplomatas venezuelanos do território sob seu controle constitui uma violação de acordos internacionais e revela que para Israel não existe o Estado palestino.

Em comunicado, o ministro das Relações Exteriores assinalou que a decisão de Israel "viola os Acordos de Oslo", já que "está expulsando uma representação diplomática que está no país em nome de uma nação".

Além disso, afirmou que a decisão prova que Israel não reconhece a existência de um Estado palestino.

"A expulsão dos diplomatas do escritório de representação da Venezuela em Ramala é uma demonstração de que, para Israel, não há um Estado palestino", acrescentou.

Israel decidiu expulsar os dois diplomatas da Venezuela no território sob seu controle, e informou que eles têm até amanhã para deixar seus postos, informou hoje à Agência Efe uma funcionária israelense.

Fontes diplomáticas consultadas pela Efe disseram que os dois funcionários venezuelanos - Roland Betancourt, credenciado para Israel, e Jonathan Velásquez, para a Autoridade Nacional Palestina (ANP) - poderiam deixar o Estado judeu ainda hoje.

Os diplomatas "serão bem-vindos e receberão homenagens na Venezuela", disse Maduro no comunicado oficial. EFE gf/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.