Israel culpa tripulantes da frota pelo sangrento ataque

Seis navios com ajuda humanitária e 750 ativistas planejavam desafiar bloqueio imposto contra território palestino por Israel

EFE |

O número dois do Ministério de Exteriores israelense, Daniel Ayalon, culpou hoje os tripulantes da expedição pelo ataque militar israelense à "Frota da Liberdade", que deixou nove mortos, segundo a Exército israelense.

"Certamente lamentamos as vítimas, mas a responsabilidade pelas vítimas é deles, daqueles que atacaram os soldados israelenses", assinalou Ayalon - do mesmo partido do chanceler Avigdor Lieberman - em entrevista coletiva do Ministério de Exteriores em Jerusalém.

Em comunicado, o Exército israelense assegura que dois "ativistas violentos sacaram os revólveres" de suas tropas "e aparentemente abriram fogo contra os soldados, como provam os cartuchos vazios dos revólveres".

Na entrevista coletiva, Ayalon destacou que seu país "fez todo o possível para deter" a frota, mas seus integrantes "responderam inclusive com armas". "Nenhum país soberano toleraria essa violência."

Além disso, ele assegurou que "os organizadores" - em referência à ONG turca IHH, um dos diversos grupos que participavam da iniciativa - tem "estreitos laços" com "organizações terroristas internacionais", como a rede Al-Qaeda.

Ayalon pediu que "todos os países trabalhem juntos para acalmar a situação" e não sejam "pessimistas demais" sobre as consequências que possa ter a operação nas relações diplomáticas de Israel com outros Estados.

    Leia tudo sobre: IsraelFaixa de Gaza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG