Israel condiciona abertura de Gaza à libertação de Shalit

Israel decide vincular trégua na Faixa de Gaza à libertação de soldado capturado O Gabinete de Segurança de Israel decidiu, nesta quarta feira, que as passagens terrestres para a Faixa de Gaza não serão abertas enquanto o soldado israelense, Gilad Shalit, capturado há dois anos e meio, não for libertado. O Gabinete de Segurança aprovou unânimemente a proposta do primeiro ministro Ehud Olmert, de que não haverá avanço algum nas negociações de um cessar fogo entre Israel e o Hamas enquanto o soldado Shalit não for libertado.

BBC Brasil |


Clique para ver o infográfico

O lider do Hamas, Haled Mashal, afirmou que o governo israelense "inverteu sua posição, colocando em risco toda a negociação da trégua".

Com a decisão, as autoridades israelenses pressionam por uma mudança no curso das negociações. Até agora, vinham sendo conduzidas duas negociações paralelas, ambas intermediadas pelo Egito.

Uma delas era para a a libertação do soldado Gilad Shalit, em troca de centenas de prisioneiros palestinos.

Outra, era para a viabilização de uma trégua na Faixa de Gaza, com o fim do lançamento de foguetes da região para Israel e o contrabando de armas para o território palestino. Em troca, o governo israelense relaxaria o bloqueio imposto a Gaza desde que o Hamas assumiu o controle da região em 2007.

Mas o principal representante de Israel junto ao Egito, Amos Gilad, alto funcionario do ministerio da Defesa de Israel, criticou a decisão de Olmert de vincular a troca de prisioneiros com a trégua.

"De repente eles (o governo) inverteram a ordem das coisas, de repente querem antes receber Gilad (Shalit), o que estão tentando fazer, ofender os egipcios? Assim esperam receber Gilad? Isso é uma loucura", disse o negociador.

De acordo com a decisão do gabinete as passagens terrestres para a Faixa de Gaza serão abertas somente de maneira esporádica, para possibilitar a entrada de ajuda humanitária, porem mercadorias como cimento e ferro, necessárias para a reconstrução da região, seriamente danificada durante a ofensiva israelense, só poderão entrar depois da libertação de Gilad Shalit.

Pressão pública

O governo de Ehud Olmert está enfrentando fortes pressões publicas para libertar o soldado.

Segundo Noam Shalit, o pai do soldado, "esta pode ser a última oportunidade para libertar Gilad, antes da formação do novo governo".

Shalit afirma que Olmert "é responsável pela captura de Gilad e tem a obrigação de libertá-lo antes de deixar o cargo".

Em troca do soldado, o Hamas exige a libertação de centenas de prisioneiros palestinos, muitos deles diretamente envolvidos na morte de israelenses.

Próximo governo de Israel

Para o próximo governo de Israel, que segundo os resultados das eleições deverá ser liderado por Byniamin Netaniah, em coalizão com partidos de extrema direita, provavelmente a realização da troca de prisioneiros ficará mais complicada ainda e esta pode ser a explicação para os temores da familia do soldado que considera esse momento de transição como a "ultima chance".

Leia mais sobre Faixa de Gaza

    Leia tudo sobre: faixa de gaza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG