Israel começa com otimismo 4º dia da luta contra o incêndio

O fogo causou 41 mortos e obrigou à evacuação de 17 mil israelenses

EFE |

Israel começou neste domingo com otimismo o quarto dia de luta contra o maior incêndio de sua história, após a primeira madrugada em que foi possível preservar os avanços do dia anterior. "Estamos na melhor situação desde que o incêndio teve início", assinalou à rádio militar israelense antes da saída do sol o diretor do corpo de bombeiros, Shimon Romah.

Romah disse que esta foi a primeira madrugada em que o trabalho de extinção efetuado à luz do dia não foi perdido, como ocorreu até agora pela impossibilidade dos aviões de combate ao incêndio operarem à noite e às constantes mudanças do vento. "Graças aos esforços dos bombeiros quando os aviões estavam inativos, recomeçamos um pouco mais otimistas nesta manhã", declarou à imprensa local o responsável do corpo de bombeiros.

A reunião dominical do conselho de ministros realizada sempre pela manhã em Jerusalém foi transferida nesta ocasião para Tirat Carmel, uma cidade situada perto do incêndio. No discurso de abertura, retransmitido ao vivo pela televisão israelense, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu ressaltou que o gabinete vai analisar as ajudas e a reabilitação e classificou o incêndio ainda como "enorme" e reiterou que seu país não sente "vergonha" por ter tido de recorrer à ajuda externa.

Netanyahu insistiu aos ministros que quer "soluções rápidas" e um "encurtamento dos processos" de compensação, ao invés de "burocracia". O fogo, iniciado na quinta-feira por causas ainda desconhecidas, está ativo em quatro áreas: Har Shokef, Nir Etzion, Usfiya e na reserva natural Hai-Bar.

Reuters
Ajuda internacional: avião grego ajuda no combate ao foto em Israel

No sábado, o corpo de bombeiros previu a necessidade de mais uma semana para acabar totalmente com as chamas, por isso continuam chegando ao país meios materiais e humanos de diversas regiões do mundo. Pelos últimos dados do Exército israelense, já estão no país 15 aviões e helicópteros especializados no combate a incêndio e seis helicópteros de transporte da Grécia, Bulgária, Chipre, Turquia, Rússia (concretamente um hidravião com capacidade para 42 mil litros), Reino Unido, França, Itália e Suíça. Espera-se ainda a ajuda da Espanha, Estados Unidos e Alemanha, Noruega, Croácia e Holanda, e o Governo palestino ofereceu três carros de bombeiros.

Nesta manhã começa a trabalhar um Boeing 747 transformado em aviões de combate a incêndio alugado por uma empresa privada americana porque pode transportar 76 mil litros de água (16 vezes mais que um avião desse tipo normal) e com condições de trabalhar de noite.

O fogo causou 41 mortos e obrigou à evacuação de 17 mil israelenses. Além disso, três pessoas permanecem desaparecidas e outras 17 estão feridas, três com gravidade. Desde o início do incêndio, o fogo arrasou 5 mil hectares com 5 milhões de árvores, segundo dados do Fundo Nacional Judeu. A investigação inicial aponta para um caso de negligência na queima de resíduos domésticos. Dois irmãos adolescentes de um povoado foram detidos por este motivo. Eles disseram à Polícia, no entanto, que no momento que o fogo iniciou estavam estudando. Como as autoridades não têm provas materiais conclusivas contra eles, os dois permanecem soltos.

    Leia tudo sobre: fogoisraelincêndioaviãogrécia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG