Insurgentes islamistas puniram com chicotadas 32 pessoas por participarem de uma dança tradicional no sul da Somália. Um porta-voz islamista na cidade de Balad, ao sul da capital, Mogadício, disse que o grupo - formado por 25 mulheres e sete homens - ignorou várias advertências de que dançar em conjunto é proibido pelo islamismo.

Os insurgentes lutam contra o débil governo de transição da Somália e seus aliados etíopes e já controlam boa parte das regiões central e sul do país.

Na medida em que avançam, estão implementando uma interpretação estrita da lei islâmica - sharia - sobre as populações locais.

No mês passado, os islamistas apedrejaram uma menina de 13 anos até a morte, por suposto adultério, na cidade de Kismayo, no sul do país, quando ela se queixou de que havia sido estuprada.

A morte provocou indignação internacional.

Antes de serem expulsos do poder em Mogadício por tropas etíopes em 2006, os islamistas da Somália foram elogiados por trazer um certo grau de ordem e segurança na capital depois de anos de caos e violência.

Mas eles também foram criticados pela imposição de regras baseadas em uma visão fundamentalista do islamismo.

Música e filmes foram banidos e execuções públicas eram freqüentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.