Cabul, 16 abr (EFE).- A Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) no Afeganistão, sob comando da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), admitiu hoje que seis civis morreram em um ataque aéreo dentro de uma operação que suas tropas realizaram em 13 de abril no leste afegão.

Em comunicado, a Isaf reconheceu que seis civis morreram e 14 ficaram feridos em uma ofensiva no distrito de Watapur, na província de Kunar, mas disse que as vítimas ocorreram "quando um avião da coalizão" liderada pelos EUA bombardeou a área, em "apoio" aos soldados da Otan.

Segundo a investigação realizada em conjunto pelas autoridades afegãs e pela Isaf, quatro insurgentes também morreram na operação.

No mesmo dia do bombardeio, as autoridades afegãs denunciaram a morte de seis civis, mas a Otan afirmou que entre quatro e oito supostos insurgentes tinham morrido.

"Os dados indicavam uma tentativa hostil do inimigo para atacar postos da Isaf. Devido à distância da área, a Isaf recorreu ao apoio aéreo e eliminou a ameaça do inimigo", afirmou então a Otan.

Ontem, representantes da Isaf e do Governo afegão ofereceram suas condolências e ajuda aos familiares das vítimas, segundo o comunicado divulgado hoje.

"Expressamos nossas condolências às famílias dos mortos e desejamos uma pronta recuperação aos feridos", disse John Spisze, porta-voz da Otan.

O presidente afegão, Hamid Karzai, elevou durante os últimos meses o tom contra a morte de civis, especialmente em bombardeios aéreos lançados pela aviação americana. EFE nh-sp/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.