Irmã de Fidel colaborou com a CIA contra o regime

Juanita Castro, a irmã do ex-presidente cubano Fidel Castro, revelou que colaborou com a agência americana de espionagem CIA contra o governo cubano antes de se exilar em Miami, em 1964. A revelação foi feita pela própria Juanita em entrevista ao canal de televisão em língua espanhola Univisión-Noticias 23 no domingo.

BBC Brasil |

Ela está lançando um livro de memórias sobre sua relação com os irmãos Fidel e Raúl, que é o atual presidente de Cuba.

O livro "Fidel y Raúl, mis hermanos: La historia secreta" (Fidel e Raúl, Meus Irmãos: A História Secreta), escrito junto com a jornalista mexicana Maria Antonieta Collins, será lançado nesta segunda-feira nos Estados Unidos, México, Colômbia e Espanha.

Em entrevista à própria Maria Antonieta Collins, na Univisión-Noticias 23, Juanita Castro disse que foi abordada por uma pessoa próxima e também ligada a Fidel.

Rompimento

"[Essa pessoa] me disse que trazia um convite da CIA, que eles queriam falar comigo, que tinham coisas interessantes para me dizer e coisas interessantes para me pedir. [Perguntou] se eu estava disposta a correr esse risco, se estava disposta a ouvi-los. Eu fiquei meio chocada, mas de qualquer forma, eu disse que sim", disse.

A entrevista com Juanita Castro está sendo transmitida em partes. Ao final do programa de domingo, a jornalista prometeu revelar mais detalhes sobre o envolvimento de Juanita Castro com a CIA nos próximos programas.

"Amanhã, pela primeira vez, [...] quem ousou propor à irmã de Fidel que ela colabore com a CIA, arquiinimiga dos irmãos Castro."
Nos anos 60, a CIA teria elaborado dezenas de planos para tentar matar Fidel Castro.

Juanita Castro, a quinta de sete irmãos, rompeu com os irmãos alguns anos após a Revolução Cubana, de 1959, e tornou-se célebre por sua oposição ao regime comunista da ilha.

Ela disse que começou a perder entusiasmo com a revolução quando viu pessoas serem presas e executadas.

"Nós costumávamos culpar as pessoas do escalão de baixo, mas as ordens não vinham das pessoas do escalão de baixo. Elas vinham do escalão de cima, de Fidel, de Che [Guevara], de Raúl", disse ela ao programa.

Juanita disse que abrigava críticos do regime de Fidel em sua casa, para protegê-los do irmão. Ela disse que sua mãe, Lina Ruz, também ajudou pessoas contrárias ao governo cubano.

Após a morte de Lina Ruz, em agosto de 1963, Juanita disse que passou a se sentir ameaçada, e resolveu deixar o país.

Segundo a reportagem de Maria Antonieta Collins na televisão, ao descobrir sobre o envolvimento de Juanita contra o regime, Raúl ajudou a providenciar um visto para que ela deixasse o país para o México.

A reportagem diz que a última vez que Raúl e Juanita se falaram foi no dia 18 de junho de 1964. Dez dias depois, ela revelou ao mundo suas críticas ao regime de Fidel, em uma entrevista coletiva no México.

Leia mais sobre Fidel Castro

    Leia tudo sobre: fidel castro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG