Dublin, 8 mar (EFE).- O primeiro-ministro da República da Irlanda, Brian Cowen, disse hoje que o assassinato de dois soldados coemtido no sábado à noite em uma base do Exército britânico na Irlanda do Norte não desestabilizará o Governo de poder compartilhado entre católicos e protestantes, nem o processo de paz na província.

"Todos achávamos que a violência sem sentido era uma coisa do passado. A violência foi totalmente rejeitada pelos cidadãos desta ilha, tanto do norte quanto do sul", disse Cowen.

O primeiro-ministro ressaltou que os autores do atentado serão detidos e levados à Justiça.

O ministro de Assuntos Exteriores da República da Irlanda, Micheál Martin, condenou hoje "energicamente este ataque assassino, cujo objetivo é a população irlandesa, tanto do norte quanto do sul".

Segundo Martin, o atentado tenta prejudicar os "admiráveis progressos alcançados durante os últimos anos" para deixar para trás um conflito que durou mais de três décadas.

"Os autores deste ataque não têm apoio. Não deixaremos que tenham êxito e os levaremos à Justiça", afirmou.

Além dos soldados que morreram, outros dois militares e dois civis ficaram feridos no atentado, cometido na base de Massereene, cerca de 25 quilômetros ao norte de Belfast. EFE ja/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.