Iraquianos têm condições de assumir responsabilidades, diz Obama

WASHINGTON - O presidente Barack Obama afirmou que os Estados Unidos podem passar mais responsabilidades aos iraquianos depois da bem sucedida realização de eleições pronviciais e da queda da violência nesse país.

AFP |

"Em conversas que temos tido comos chefes conjuntos, com as pessoas e com os comandantes no terreno, creio que os iraquianos realizaram eleições significativas, com atos de violência menores, e por isso estamos em condições de colocar mais responsabilidades nas mãos dos iraquianos", afirmou Obama falando ao canal NBC.

"E isso é uma boa notícia, não apenas para as tropas no terreno, como também para as famílias que estão sofrendo uma enorme carga", acrescentou.

Indagado sobre sua promessa de campanha de concluir a guerra no Iraque e trazer para casa os soldados num prazo de 16 meses, fazendo com que, com isso, seja possível "dizer que um número substancial de soldados possa estar em casa para o próximo Super Bowl", Obama foi direto com o entrevistador e respondeu: "Sim".

No domingo foi disputado o Super Bowl, a final anual do campeonato de futebol americano que é uma data esportiva marcante para os americanos.

Obama já havia caracterizado as eleições no Iraque como "um importante passo adiante" para o futuro desse país.

"Felicito o povo iraquiano pela realização das importantes eleições provinciais de hoje", prosseguiu, destacando que milhões deles foram às urnas pacificamente.

"Os Estados Unidos estão orgulhosos de terem fornecido assistência técnica, ao lado das Nações Unidas, e de outras organizações internacionais, à Comissão eleitoral iraquiana", acrescentou Obama.

Eleições no Iraque

Milhões de iraquianos participaram no domingo na eleição de seus conselheiros provinciais, em uma votação com valor de teste para a estabilização do país após anos de violência e de insegurança.

Poucas horas antes do fechamento dos colégios eleitorais, alguns incidentes isolados marcaram estas primeiras eleições organizadas no Iraque desde 2005, apesar do esquema de segurança reforçado instalado pelas forças da ordem.

De Mossul, feudo da Al-Qaeda no norte do Iraque, a Fao, no extremo sul do país, passando pela cidade sunita de Ramadi, às portas do deserto, e Bagdá, 15 milhões de iraquianos foram convocados às urnas para renovar seus conselheiros provinciais, que elegem em seguida os governadores e desempenham um papel importante na reconstrução do país.

O nível de participação chegou a 51%, contra 55,7% para a votação anterior, em 2005, anunciou o chefe da Comissão central eleitoral.

Quase sete dos 15 milhões de iraquianos inscritos votaram pacificamente para eleger 440 dos 14.431 candidatos a vereadores.

Somente 14 das 18 províncias do país votaram. As três regiões curdas e a disputada província de Kirkuk devem votar mais tarde em 2009.

Em 2005, quando todas as 18 províncias votaram, a participação chegou a 55,7%. A maioria dos sunitas boicotou as eleições, mas os curdos votaram em massa.

O nível de participação mais elevado nas eleições de sábado foi registrado na província sunita de Salaheddin, com 65%. Em outro sinal da volta dos sunitas às urnas, as províncias de Al-Anbar e Ninive tiveram participações respectivas de 40% e 60%.

A província xiita que registrou a maior participação foi Muthanna, com 61% dos inscritos. Os níveis de participação mais baixos entre as províncias xiitas foram registrados na província de Missane (46%) e na região de Bagdá (cerca de 40%).

A lista do primeiro-ministro Nuri al-Maliki era neste domingo apontada como a favorita das eleições na maior parte das regiões xiitas.

De acordo com os primeiros resultados não oficiais estabelecidos pela AFP junto com os comitês eleitorais locais, a "Coalizão do Estado de Direito" de Maliki bate suas concorrentes em seis províncias xiitas do sul e em Bagdá, onde os primeiros números já são conhecidos. A lista do premier aparece em segundo lugar na província xiita de Kerbala.

Os primeiros resultados oficiais serão conhecidos durante a semana, e os resultados definitivos só serão publicados daqui a várias semanas.

Leia mais sobre Iraque

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG