Iraque promete pagar salários atrasados de paramilitares sunitas

Bagdá, 14 abr (EFE).- O Governo iraquiano reiterou hoje seu compromisso de pagar os salários atrasados de todos os milicianos tribais sunitas, membros dos chamados Conselhos de Salvação (Sahwa), que colaboram na luta contra a rede terrorista Al Qaeda no Iraque.

EFE |

O porta-voz do Governo, Ali al Dabbagh, explicou em nota que decidiu contratar 80% dos membros dos Sahwa nas instituições governamentais e ministérios, enquanto os outros 20% serão incorporados à Polícia.

Al Dabbagh afirmou ainda que todos os milicianos receberão seus salários nas corporações pelas quais forem contratados.

O anúncio foi feito 12 dias após o Governo iraquiano assumir o controle total dos Conselhos de Salvação, transferido pelo Exército dos Estados Unidos, que os financiava e supervisionava até então.

No entanto, as últimas semanas tiveram momentos de tensão entre essas milícias e as autoridades iraquianas, depois que tropas iraquianas e americanas prenderam, em 28 de março, Adil Mashahadani, um comandante local dos Conselhos de Salvação no centro de Bagdá.

A prisão dele desencadeou uma série de confrontos no bairro de Al Fadl, na capital iraquiana, entre os soldados e milicianos e simpatizantes de Mashahadani, que terminaram com três mortos e dez feridos.

Pouco após esses choques no centro da capital -os mais graves desde a criação dos Conselhos em setembro de 2006- dez soldados dessa força paramilitar foram detidos, acusados de atividades terroristas.

O primeiro Conselho de Salvação nasceu na província ocidental de Al-Anbar, reduto sunita, e fez parte da estratégia dos EUA para combater a crescente presença do ramo iraquiano da Al Qaeda.

Após o sucesso inicial da iniciativa, ela se foi estendendo a outras regiões do país, até criar uma força paramilitar com cerca de 100 mil soldados. EFE am/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG