Bagdá, 2 nov (EFE).- O chanceler iraquiano, Hoshiyar Zebari, e o ministro de Assuntos Exteriores sírio, Walid al-Moualem, estudaram hoje os meios de conter a crise desencadeada pelo ataque americano de 26 de outubro em território da Síria.

Segundo um comunicado do Ministério de Assuntos Exteriores iraquiano, os dois mantiveram uma conversa telefônica em que discutiram "meios que permitam conter as conseqüências do ataque aéreo americano na zona de Abu Kamal (Síria), localizada perto da fronteira com o Iraque", que deixou oito mortos.

Ambas as partes reiteraram seu desejo de reforçar e consolidar os laços bilaterais entre "os dois países irmãos" e destacaram a necessidade de superar a tensão gerada pelo ataque.

Após essa agressão, ainda não confirmada por parte das autoridades americanas, a Síria criticou a postura do Governo iraquiano que em um princípio tentou justificar a ação dos EUA pelo pouco controle que, na sua opinião, têm as autoridades de Damasco sobre sua linha fronteiriça com país vizinho.

Além disso, as autoridades de Damasco suspenderam indefinidamente a próxima reunião da comissão bilateral entre Síria e Iraque, que aconteceria nos próximos dias 12 e 13 de novembro.

Bagdá mostrou sua rejeição de o Exército americano usar seu território para lançar ataques contra a Síria e expressou sua vontade de que se inclua uma cláusula no acordo de segurança negociado com os EUA que proíba que suas forças lancem ataques do Iraque. EFE am/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.