Iraque e protestos marcam a visita de Bush a Londres

O presidente americano, George W. Bush, chegou neste domingo a Londres para uma visita oficial de dois dias, na penúltima etapa de sua viagem pela Europa, marcada por protestos contra a guerra no Iraque e um grande dispositivo de segurança.

AFP |

Depois de desembarcar no aeroporto londrino de Heathrow procedente de Paris, Bush e a esposa Laura partiram de helicóptero para o castelo de Windsor (oeste de Londres), onde eram esperados pela rainha Elizabeth II.

Nas ruas deste pequena área medieval, dezenas de manifestantes convocados pela Coalizão Contra a Guerra exibiam cartazes de denúncia à política de Bush no Iraque e Afeganistão.

Em Londres, a Coalizão reuniu 2.000 manifestantes. Alguns ativistas também exibiam faixas com pedidos de fechamento da prisão de Guantánamo.

Dentro do castelo, a soberana acompanhou o casal presidencial americano por alguns salões, mostrando algumas das obras-primas em suas paredes.

Depois de tomar chá com a rainha e seu marido, o príncipe Philip, duque de Edimburgo, Bush e a esposa seguiram para um jantar com o primeiro-ministro Gordon Brown e sua esposa Sarah, na residência oficial londrina de Downing Street.

Na segunda-feira, Bush e Brown terão uma reunião de trabalho, com o Iraque como tema central.

Antes mesmo da chegada de Bush, o governo britânico teve que desmentir versões sobre divergências entre Londres e Washington sobre a retirada das tropas britânicas do país árabe.

"Não há nenhuma divergência com os Estados Unidos sobre este tema", afirmou à AFP uma porta-voz de Downing Street, depois de uma entrevista publicada neste domingo pelo britânico The Observer na qual Bush adverte Londres a não comprometer os êxitos obtidos pela coalizão no Iraque com uma retirada prematura das tropas.

"Não há nenhum desacordo entre nós, entre o presidente e o primeiro-ministro Gordon Brown sobre este assunto, ponto final", declarou assessor nacional de segurança, Stephen Hadley, aos jornalistas que viajavam com Bush.

A imprensa britânica especula que Brown pode anunciar em breve um calendário para a retirada dos mais de 4.000 militares britânicos presentes no Iraque.

Na segunda-feira, antes de retornar a Washington, Bush visitará a Irlanda do Norte, onde a Anistia Internacional convocou protestos em Belfast para denunciar a detenção em Guantánamo, leste de Cuba, de suspeitos de terrorismo sem acusações.

bur/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG