Bagdá, 15 jun (EFE).- O Governo iraquiano e as tropas da coalizão, lideradas pelos Estados Unidos, confirmaram hoje a manutenção do plano de retirada das tropas estrangeiras do país, cujo início está previsto para o próximo dia 30.

A intenção foi manifestada em entrevista coletiva conjunta, transmitida pelo canal de televisão "Al Iraqiya", pelo ministro do Interior iraquiano, Jawad al-Bolani, o de Defesa, Abdel Kader al-Obeidi, e o general Ray Odierno, chefe da representação do Exército americano.

"Os EUA cumprirão o acordo de segurança. As tropas americanas deixarão as cidades no fim de junho. Este será um grande dia", comentou Odierno, completando que o país reduzirá pouco a pouco o número de tropas no país árabe.

"Antes havia 160 mil militares em 460 bases e áreas no Iraque, agora temos 130 mil em 320 lugares. Continuaremos abaixando este número", comentou o general americano.

Perguntado sobre os detidos em prisões sob responsabilidade do Exército dos EUA, Odierno revelou a criação de uma comissão mista para tratar do assunto.

Já o ministro da Defesa iraquiano disse que as forças militares contarão com aparato aéreo próprio no fim do ano que vem, e até lá dependerão dos EUA para as operações no país.

Por outro lado, o ministro do Interior iraquiano adiantou que as operações seguirão em coordenação com as tropas americanas nas regiões mais conflituosas.

"A saída das forças americanas das cidades não significa que os problemas tenham terminado, embora agora as tropas iraquianas tenham mais capacidade", ressaltou.

Segundo o tratado de segurança assinado em dezembro de 2008 entre o Governo do Iraque e os EUA, as forças americanas se retirarão dos quartéis e cidades antes de 30 de junho próximo, deixando o país completamente antes de 30 de dezembro de 2011. EFE aj/dp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.