Nova York, 18 dez (EFE).- Cerca de 35 funcionários de alto escalão do Ministério do Interior iraquiano foram detidos nos últimos três dias, acusados de querer reconstituir o partido do ex-ditador Saddam Hussein, informa hoje o diário The New York Times.

Alguns dos detidos se encontravam na fase inicial de planejamento de um golpe de Estado, explica em seu site o jornal, que cita fontes das forças de segurança em Bagdá.

Entre os detidos estão ainda membros do gabinete do primeiro-ministro Nouri al-Maliki e quatro generais.

Entre eles está o general Ahmed Abu Raqeef, diretor de assuntos internos do Ministério do Interior, informou o "New York Times".

Foram detidos até mesmo membros da unidade de elite da luta antiterrorista que se reporta diretamente a Maliki, o que demonstra a seriedade das acusações, segundo o jornal nova-iorquino.

A intenção dos detidos supostamente era reconstruir o Baath, o partido de Saddam que governou o país com mão de ferro por cerca de 40 anos, nos quais dezenas de milhares de pessoas foram perseguidas ou morreram pela repressão do Estado.

As fontes citadas pelo "New York Times" não forneceram mais detalhes da operação, em razão da delicada natureza do tema, mas o jornal assegura que as detenções refletem novos desafios para o Iraque, cujo primeiro-ministro é um líder forte, mas com poucos aliados políticos confiáveis.

Segundo os críticos de Maliki, o governante utilizou esta operação para se consolidar no poder, acrescenta o "New York Times", que assegura que o chefe do Governo não quis comentar as detenções, embora um de seus assessores tenha assegurado que se tratava de uma "conspiração". EFE mr/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.