Os Guardiões da Revolução - Exército ideológico do regime islâmico iraniano - testaram nesta quarta-feira mísseis de médio e longo alcance, um deles capaz de atingir Israel, no momento em que norte-americanos e israelenses não descartam a opção militar na crise nuclear iraniana.

O teste foi condenado imediatamente pelos Estados Unidos, que o consideraram uma violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

"O desenvolvimento de mísseis balísticos pelo Irã é uma violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU e completamente inconsistente com as obrigações do Irã em relação ao mundo", disse Gordon Johndroe, porta-voz da Casa Branca, durante a reunião de cúpula do G8 que realizada no Japão.


Rede de TV iraniana registra o momento em que o Shahab-3 foi lançado / AP

A secretária de Estado americana Condoleezza Rice também condenou o teste, afirmando que o mesmo prova que a 'ameaça nuclear que a República Islâmica representa não é imaginária'.

Nove mísseis lançados

A rede estatal de televisão iraniana em língua árabe al-Alam assegurou que nove mísseis foram lançados durante o teste, entre eles um "Shahab 3, com carga convencional de uma tonelada e alcance de 2.000 km".

A fronteira ocidental do Irã está a apenas 1.000 quilômetros de Israel.

Os testes são efetuados em meio a um momento tenso entre o Ocidente e Teerã, que se nega a suspender seu programa de enriquecimento de urânio.

Os Guardiões da Revolução iniciaram na segunda-feira manobras navais e balísticas no Golfo, chamadas de Grande Profeta III, com o objetivo de aperfeiçoar suas "capacidades de combate".

"O objetivo desses exercícios é demonstrar que estamos dispostos a defender a integridade da nação iraniana", declarou nesta quarta-feira Hosein Salami, comandante das Forças Aéreas dos Guardiões da Revolução, citado pela al-Alam.

"Nossos mísseis estão prontos para ser lançados em qualquer lugar, em qualquer momento, rapidamente e com precisão", assegurou.

"O inimigo não deve repetir seus erros. Seus alvos estão sob nossa vigilância", acrescentou.

Além do Shahab 3, os mísseis Zelzal, com um alcance de 400 km, e Fateh, com cerca de 170 km de alcance, também foram disparados, informou a rede em língua inglesa Press TV.

A Press TV divulgou imagens do Shahab 3 no momento de seu lançamento, em uma área desértica desconhecida do Irã.

"Resposta a qualquer aventura"

O chefe da Marinha dos Guardiões da Revolução, o almirante Morteza Safari, afirmou que suas forças querem "mostrar sua capacidade de resposta a qualquer aventura" dos inimigos do Irã, informou nesta quarta-feira a agência Fars.

Os navios britânicos e norte-americanos concluíram terça-feira as manobras de cinco dias no Golfo destinadas a proteger as instalações petrolíferas, segundo a V Flota norte-americana, com base no Bahrein.

O chefe do Estado-Maior do Exército iraniano advertiu no sábado que seu país poderá fechar o estratégico estreito de Ormuz, por onde passa aproximadamente 40% do petróleo mundial, se seus interesses forem ameaçados.

A reunião de cúpula do G8 (as oito nações mais industrializdas do mundo) já havia instado na terça-feira o Irã a "suspender qualquer atividade relacionada ao enriquecimento de urânio" e a "responder positivamente às últimas propostas da comunidade internacional" para que uma saída negociada para a crise seja encontrada.

Na terça-feira, o Irã ameaçou "incendiar" Tel Aviv e a frota norte-americana situada no Golfo em caso de ataque contra suas instalações nucleares.

Na terça-feira, Washington minimizou as ameaças iranianas e reiterou que quer solucionar o conflito em torno do programa nuclear de Teerã pela via diplomática.

No entanto, tanto Estados Unidos como Israel não excluem um recurso à força para deter o programa nuclear do qual se acredita que tenha fins nucleares.

Leia mais sobre: Irã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.