O Irã realizou nesta quinta-feira novos testes de mísseis no Golfo, segundo informações do site da TV iraniana, no terceiro dia de exercícios militares que aumentaram a tensão nas relações entre a República Islâmica e os países ocidentais, provocando advertências da secretária de Estado note-americana, Condoleezza Rice, em visita à Geórgia.

Rice disse em Tbilisi, capital georgiana, em resposta à ameaça iraniana de "incendiar" Israel, que os Estados Unidos estão preparados para defender seus interesses e os de seus aliados.

"No terceiro dia das manobras 'Grande Profeta' no Golfo Pérsico, os fatos mais importantes foram os disparos de mísseis terra-mar e terra-terra, assim como de mísseis mar-terra", indicou a página da TV iraniana.

Durante os exercícios, as Forças Armadas testaram também o torpedo Hoot (baleia, em persa), testado em abril de 2006, e que foi descrito então como uma arma muito rápida capaz de atingir submarinos inimigos.

Barcos de guerra dos Guardiões da Revolução, o Exército ideológico e de elite do regime islamita iraniano, participaram das manobras, segundo o site.

"Os alvos foram atacados com precisão pelas forças da Marinha com diferentes tipos de lanchas dotadas de elementos militares de potência leve e média", acrescentou.

A TV estatal indicou que os "mísseis de longo e médio alcance foram lançados" em manobras noturnas na quarta-feira, sem fornecer maiores detalhes.

O Irã havia anunciado na quarta-feira que nove mísseis de médio e longo alcance foram lançados durante as manobras, em especial um "Shahab 3 equipado com uma carga convencional, de uma tonelada e alcance de 2.000 km", com capacidade de atingir o território israelense com folga.

"Defenderemos os interesses norte-americanos e os interesses de nossos aliados. Assumimos com firmeza nossa obrigação de defender nossos aliados e tentamos fazê-lo", disse Rice, ao responder à pergunta de um jornalista sobre a ameaça do líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei.

Rice acrescentou que os Estados Unidos reforçaram sua "presença" com o objetivo de garantir "a segurança" no Golfo e que não hesitará em defender Israel e seus outros aliados na região.

O Irã "incendiará" Tel Aviv e a frota militar norte-americana no Golfo se for atacado, havia advertido o hodjatolislam Ali Shirazi, representante do guia supremo Ali Khamenei nas Forças Navais dos Guardiões da Revolução, citado na terça-feira passada pela agência Fars.

As grandes potências, que suspeitam que a intenção iraniana seja produzir a arma nuclear sob o pretexto de seu programa civil, pedem insistentemente ao Irã que ponha fim ao seu enriquecimento de urânio, uma exigência rejeitada pelo regime islâmico.

Estados Unidos e Israel não descartaram a possibilidade de recorrer à força contra o Irã para impedir que este obtenha a bomba atômica, embora assegurem preferir a via diplomática.

aet-sjw/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.