Irã se diz aberto a novas propostas para combustível nuclear

TEERÃ (Reuters) - O Irã vai considerar eventuais novas ideias para o intercâmbio de material nuclear com grandes potências, disse o chanceler Manouchehr Mottaki nesta terça-feira, após receber seu homólogo turco, Ahmet Davutoglu. Não houve sinais imediatos de que a visita tenha gerado algum avanço nas negociações do Irã com o Ocidente. Davutoglu, que chegou na noite de segunda-feira para tentar salvar a proposta mediada pela Organização das Nações Unidas (ONU), deve se reunir ainda nesta terça-feira com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

Reuters |

Ancara tem fortalecido suas relações com o Irã desde que o partido de origem islâmica AK assumiu o poder. A Turquia vem sendo citada como um país onde poderia haver a troca de urânio baixamente enriquecido do Irã por combustível de maior teor de pureza, apto para uso em um reator de pesquisas médicas.

O Ocidente suspeita que o Irã esteja desenvolvendo armas nucleares, e vê na troca de material uma tática para impedir que Teerã enriqueça urânio até o grau necessário para o uso em armas. A República Islâmica assegura que seu programa nuclear tem finalidades pacíficas, de geração de energia e pesquisas médicas.

Mottaki disse que sua reunião com Davutoglu teve caráter consultivo, sem qualquer forma de mediação entre o Irã e as potências ocidentais, que ameaçam impor novas sanções a Teerã.

"Informamos nossos amigos turcos sobre os mais recentes fatos no caso nuclear pacífico do Irã", disse Mottaki a jornalistas ao lado do colega.

Ecoando declarações feitas na segunda-feira por um outro funcionário do governo, Mottaki disse que Estados Unidos, França e Rússia entregaram uma carta à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU) contendo uma nova proposta, à qual o ministro se disse aberto.

"Enquanto continuamos nossas atividades (nucleares), vamos considerar qualquer nova ideia ou proposta, seja dada diretamente ou indiretamente, via a agência", afirmou.

Os EUA negaram na segunda-feira que tenham feito novas propostas junto com França e Rússia sobre a troca de material nuclear, mas afirmaram que "a porta continua aberta" para que Teerã aceite a oferta de outubro.

A França também insistiu que a nova oferta não existiu. Já a Rússia disse que os países simplesmente confirmaram seu apoio a uma proposta mediada no ano passado pela AIEA para o envio de urânio iraniano ao exterior.

A proposta não prosperou porque o Irã insiste em uma troca simultânea.

(Reportagem de Hossein Jaseb, Reza Derakhshi e Parisa Hafezi, em Teerã, e de Zerin Elci, em Ancara)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG