Irã proíbe peregrinações a Meca durante Ramadã

Teerã, 6 ago (EFE).- o Irã exigiu que seus cidadãos se abstenham de peregrinar aos lugares santos da Arábia Saudita durante o mês sagrado do Ramadã, para evitar possíveis contágios pela gripe suína.

EFE |

Assim anunciou hoje o vice-ministro da Saúde iraniano, Hassan Emami Razavi, citado pela televisão estatal.

"Os iranianos estão proibidos de visitar os lugares santos da Arábia Saudita durante o mês sagrado do Ramadã", afirmou o responsável de Saúde iraniano.

Segundo as autoridades iranianas, pelo menos 145 pessoas foram infectadas pelo vírus A (H1N1) no Irã desde que, em junho, foi descoberto o primeiro caso no país.

A imprensa local informou na quarta-feira sobre o primeiro caso mortal de gripe suína no país, mas a informação foi imediatamente desmentida pelas autoridades locais.

No mês passado, o Ministério da Saúde iraniano já recomendou que os fiéis não vão à Arábia Saudita, depois que foram detectados vários casos de contágio em peregrinos que retornavam dos santuários de Meca e Medina.

A visita às duas cidades é um dos cinco pilares do Islã, que todo fiel é obrigado a cumprir pelo menos uma vez na vida, se suas finanças e saúde permitirem.

A peregrinação aumenta durante o mês sagrado do Ramadã, que este ano começa no final de agosto e que, segundo cálculos, levará cerca de 3 milhões de muçulmanos a Meca e Medina nas próximas cinco semanas.

O máximo fluxo de peregrinos acontecerá durante o mês do "hajj" (peregrinação), que este ano coincide com novembro. EFE jm/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG