Irã proíbe peregrinação a Meca por gripe H1N1

TEERÃ (Reuters) - O Irã proibiu os iranianos de fazer a peregrinação para a Arábia Saudita durante o mês sagrado do Ramadã para evitar a expansão do vírus da gripe H1N1 no país, informou uma autoridade do Ministério da Saúde nesta quinta-feira. A peregrinação pode ser feita a qualquer momento, mas é popular durante o Ramadã, que neste ano começa em agosto.

Reuters |

"Os iranianos estão proibidos de comparecer a lugares sagrados na Arábia Saudita durante o mês de jejum do Ramadã", informou o vice-ministro da Saúde, Hassan Emami-Razavi, a uma emissora de televisão estatal.

O vírus H1N1, comumente conhecido como gripe suína, desenvolveu-se em abril nos Estados Unidos e no México, e se espalhou pelo mundo todo. O número de iranianos infectados com o vírus da gripe é de 144 desde o final de junho.

"Três pessoas por dia na média são identificadas como infectadas pela doença", informou uma autoridade do Ministério da Saúde, segundo o jornal Ebtekar.

A mídia iraniana informou na quarta-feira a primeira morte pelo vírus H1N1 na ilha de Qeshm. A notícia foi imediatamente negada pelas autoridades.

"O H1N1 não tirou nenhuma vida no Irã ainda", disse o ministro da Saúde, Kamran Baqeri-Lankarani, à televisão estatal.

Cerca de 3 milhões de muçulmanos peregrinam de mais de 160 países à cidade sagrada de Meca, no oeste da Arábia Saudita, a cada ano em uma das maiores uniões religiosas de pessoas do mundo.

A principal peregrinação a Meca ocorrerá este ano em novembro. A Arábia Saudita pediu em junho aos muçulmanos mais idosos, doentes e incapazes para adiar a peregrinação a Meca.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG