Forças de segurança do Irã prenderam nesta segunda-feira vários líderes da oposição, um dia após violentos protestos que deixaram pelo menos oito mortos no país. Ente os detidos estão o ex-ministro das Relações Exteriores Ibrahim Yazdi e o ativista de direitos humanos Emameddin Baghi.

Foram presos ainda vários conselheiros dos líderes oposicionistas Hossein Mousavi, candidato derrotado à Presidência em junho, e do ex-presidente Mohammad Khatami.

Também nesta segunda-feira, manifestantes contrários ao governo e policiais voltaram a entrar em confronto na capital iraniana, Teerã.

Corpo desaparecido
A polícia negou envolvimento nas mortes do domingo, dizendo que três delas foram acidentes e que outra foi causada por um tiro não disparado por policiais, sem dar detalhes sobre os demais casos.

Autoridades disseram que as mortes estão sendo investigadas.

A família de Mousavi afirmou que não pode realizar o funeral de Seyed Ali Mousavi, sobrinho de Houssein morto nas manifestações de domingo, porque seu corpo desapareceu do hospital.

"Ninguém assumiu responsabilidade por ter levado o corpo... não podemos ter um funeral até encontrarmos o corpo", disse o irmão de Seyed Ali, Sayed Reza Mousavi, de acordo com o site reformista Parlamannews.

Outras fontes oposicionistas afirmam que o corpo foi levado por agentes governamentais para impedir que o funeral se tornasse outro local de encontro de manifestantes.

Violência
Os protestos do domingo foram convocados pela oposição para coincidir com o fim das comemorações do Ashura, uma festividade muçulmana xiita.

Em Teerã, centenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas. Em outras cidades, a polícia usou cassetetes e bombas de gás lacrimogêneo para conter os manifestantes.

Filmagens feitas em telefones celulares mostram a multidão ateando fogo a motocicletas e carros da polícia, e a resposta dos policiais.

Segundo fontes oposicionistas, os manifestantes gritavam "Khamenei será derrubado", numa referência ao líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.

Reações
Na segunda-feira, A Rússia se mostrou preocupada com os eventos no Irã e pediu por calma.

Líderes de Alemanha, França e Grã-Bretanha condenaram a violenta reação do governo iraniano e pediram para que os direitos da oposição sejam respeitados.

Nos Estados Unidos, a Casa Branca condenou o que chamou de "supressão injusta" dos protestos de domingo.

"A esperança e a História estão do lado daqueles que buscam pacificamente ter seus direitos universais garantidos, assim como os Estados Unidos", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional americano, Mike Hammer.

A tensão no Irã vem se intensificando desde a morte do clérigo dissidente aiatolá Hoseyn Ali Montazeri, na semana passada, aos 87 anos.

Seu funeral reuniu dezenas de milhares de simpatizantes pró-reforma.

Os protestos do domingo foram os mais violentos desde o período após as eleições gerais, em junho, quando manifestantes da oposição foram às ruas para protestar contra a vitória do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.