que ajudou a jovem Neda Agha Sultan, após receber um tiro em uma das manifestações de protesto contra a reeleição do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad." / que ajudou a jovem Neda Agha Sultan, após receber um tiro em uma das manifestações de protesto contra a reeleição do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad." /

Irã pede que Interpol capture médico que ajudou jovem baleada

TEERÃ - As autoridades do Irã enviaram à Interpol uma ordem de busca e captura contra o médico iraniano Arash Hejazi, http://ultimosegundo.ig.com.br/mauricio_stycer/2009/06/24/medico+que+atendeu+neda+esta+em+londres+6912948.html target=_topque ajudou a jovem Neda Agha Sultan, após receber um tiro em uma das manifestações de protesto contra a reeleição do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

Redação com agências internacionais |

"A Interpol e as forças do Ministério de Inteligência já estão perseguindo Hejazi", disse hoje o comandante de polícia no Irã, general Ismail Ahmadi Moghadam, citado pela agência local de notícias "Fars". "É procurado porque, como testemunha, criou confusão. O assassinato (de Neda) é algo organizado que não está relacionado com os distúrbios em Teerã", disse o oficial.

Neda Agha Sultan se transformou em ícone dos protestos após as eleições presidenciais no Irã depois que sua agonia nas ruas de Teerã foi gravada com um telefone celular e deu a volta ao mundo graças à internet.

A família da jovem e testemunhas denunciaram que ela foi atingida a sangue frio por forças de segurança iranianas ou por milicianos islâmicos Basij quando caminhava com o pai em direção a uma das manifestações pacíficas convocadas na capital.

Hejazi, que viajou a Londres após a morte de Neda, é o homem que aparece na imagem tentando ajudar jovem, após ela receber um tiro no peito.

Logo após chegar à capital britânica, disse que a jovem, de 26 anos, tinha sido assassinada pelas forças da ordem e que, após ver o vídeo na internet, decidiu retornar a Londres, porque temia pela própria vida.

Hejazi, que mora em Oxford, é o único tradutor para o persa das obras do escritor Paulo Coelho .

O regime iraniano, que acusa o Ocidente de promover os distúrbios pós-eleitorais, sugeriu que a morte de Neda foi "fabricada" por alguns meios de comunicação estrangeiros.

Ahmadinejad anunciou na segunda-feira que tinha pedido ao Poder Judiciário que investigasse a "misteriosa" morte da jovem estudante.

Leia também:

Leia mais sobre: Irã

    Leia tudo sobre: ahmadinejadirã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG