Irã pede para incluir Brasil e Turquia nas negociações nucleares

Ahmadinejad afirma que só retoma negociações em agosto, na metade do Ramadã

AFP |

O Irã não retomará antes de agosto as negociações com as grandes potências sobre seu programa nuclear com o objetivo de dar uma lição aos ocidentais como se deve falar com as outras nações, afirmou nesta segunda-feira o presidente Mahmud Ahmadinejad, que também pediu a presença do Brasil e da Turquia nessas conversações.

"Para negociações, o final do mês de Mordad (22 agosto), na metade do Ramadã", respondeu Ahmadinejad ao ser indagado sobre uma data para retomada das discussões em coletiva de imrepsan.

"Isso dará a eles uma lição e assim vão aprender a como falar com as outras nações", acrecentou o presidente iraniano em alusão às sanções votadas em 9 de junho no Conselho de Segurança da ONU contra o Irã, acusado de falta de transparência e cooperação sobre seu programa nuclear.

Ahmadinejad também afirmou que as negociações entre o Irã e as potências nucleares do Grupo de Viena (Estados Unidos, Rússia e França, com patrocínio da Agência Internacional da Energia Atômica) devem ser ampliadas ao Brasil e Turquia.

"Estamos dispostos a negociar sobre uma troca de combustível (nuclear com as grandes potências) com base na declaração de Teerã", assinada pelo Irã, Turquia e Brasil, afirmou. "Se por um lado estão Rússia, França e Estados Unidos, o Irã virá com Turquia e Brasil", acrescentou.

    Leia tudo sobre: IrãBrasilMahmoud Ahmadinejadprograma nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG