Americana está detida junto com dois compatriotas por acusações de espionagem

A Justiça iraniana cancelou neste sábado a libertação da americana Sarah Shourd, detida junto com dois compatriotas por acusações de espionagem, sob a alegação de que nenhum deles sairá até que o exame do caso tenha terminado.

O ministério da Cultura havia anunciado que libertaria Shourd neste sábado. Ela foi presa no dia 31 de julho de 2009 junto com Shane Bauer e Josh Fattal, quando os três atravessavam a pé a fronteira iraniana vindos do Iraque.

Na sexta-feira, no entanto, o procurador de Teerã Abas Jafar Dolatabadi bloqueou a libertação, argumentando que o procedimento judicial do caso continua aberto.

"Enquanto o processo de exame das acusações contra os Três cidadãos americanos não tiver sido concluído, nenhum deles será liberado", declarou o magistrado neste sábado, citado pela agência oficial Irna.

Dolatabadi destacou que cabe apenas à justiça, e não a outras instituições do Estado, decidir sobre a libertação dos americanos.

O procurador foi à imprensa depois que um porta-voz da presidência iraniana afirmou que a libertação da americana havia sido adiada "porque o sábado não é um dia útil", dando a entender que os trâmites administrativos não puderam ser concluídos por este motivo.

O trio garante ter entrado por engano no Irã depois de ter se perdido durante uma excursão, mas as autoridades iranianas os acusam de espionagem e de ter ingressado ilegalmente no país.

As autoridades haviam anunciado que Sarah Shourd seria liberada por "compaixão islâmica".

Em agosto, sua mãe anunciou que a filha recebera um diagnóstico de câncer, e que estava em depressão.

"O fato de que a acusada está doente não entra em contradição com o fato de que devemos examinar as acusações", defendeu Dolatabadi.

Analistas afirmam que a libertação de Shourd tinha como objetivo aliviar as tensões com Washington acerca do polêmico programa nuclear iraniano. O presidente Mahmud Ahmadinejad deve viajar a Nova York no fim do mês para participar da Assembléia Geral da ONU.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.