Irã felicita libaneses pelo acordo selado em Doha

Teerã, 21 mai (EFE) - O Governo iraniano felicitou hoje os libaneses pelo acordo feito hoje em Doha para resolver a crise política vivida no Líbano, e mostrou seu desejo de que o pacto conduza um futuro brilhante para o país. O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Mohammad Ali Hosseini, elogiou a mediação feita pelo Catar e pela Liga Árabe entre a maioria parlamentar e a oposição libanesa, e afirmou que o Irã também não economizou nenhum esforço para aproximar os pontos de vista de ambas as partes. Para Hosseini o acordo firmado em Doha é um exemplo da cooperação regional pela estabilidade e a calma. O pacto, alcançado após cinco dias de negociação na capital do Catar, permite a eleição de um presidente para o Líbano, a formação de um Governo de união nacional e a reforma da lei eleitoral. Esperamos que o acordo seja seguido pela liberação da terra libanesa ocupada, concluiu o porta-voz, em referência às fazendas de Chebaa, na fronteira entre Líbano, Israel e Síria. Assim como os iranianos, o Governo da Jordânia elogiou o que chamou de histórico acordo. A Jordânia está profundamente satisfeita pelo histórico acordo fruto do dialogo nacional que mantiveram os blocos políticos libaneses, disse Nasser Judeh, porta-voz do Executivo jordaniano em entrevista coletiva. Segundo ele, o consenso firmado em Doha fortalecerá a reconciliação nacional, a segurança e a estabilidade política no Líbano. A Comissão de Assuntos Árabes...

EFE |

"Todos os libaneses merecem uma saudação e um reconhecimento por ter respondido à iniciativa (negociadora árabe e do Catar) e por entender a necessidade de salvar o Líbano da crise que esteve a ponto de gerar uma guerra civil", ressalta a nota.

A Síria foi o primeiro país árabe a mostrar sua satisfação sobre o acordo, quando esta amanhã, seu ministro de Exteriores, Walid al Moualem, afirmou que "apóia os acordos assinados em Doha pelos partidos libaneses".

Após seis dias de negociações, as facções libanesas anunciaram hoje no Catar um acordo que contempla a eleição de um presidente para o Líbano dentro de 24 horas, assim como a formação de um Governo e a aprovação de uma lei eleitoral.

Além disso, os dirigentes da maioria e da oposição parlamentar libanesa, liderada pelo grupo xiita Hisbolá, se comprometeram a não voltar a utilizar as armas para chegar a seus objetivos políticos.

O diálogo entre as facções foi iniciado depois que nas últimas semanas mais de sessenta pessoas morressem no Líbano devido a confrontos entre partidários da maioria e da oposição.

Síria e Irã são considerados os principais aliados do Hisbolá - que lidera a oposição libanesa - frente à Arábia Saudita, Egito e Jordânia, que apóiam a maioria parlamentar no Líbano. EFE rh/rr/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG