BR 24 horas para jornalista deixar o país - Mundo - iG" /

Irã expulsa correspondente da BBC e dá BR 24 horas para jornalista deixar o país

TEERÃ - O Irã decidiu expulsar o correspondente da BBC em Teerã, o jornalista Jon Leyne, e deu prazo de 24 horas para ele deixar o país. A BBC afirmou neste domingo que Leyne deixará o Irã, mas que o escritório da empresa continuará aberto.

Redação com agências internacionais |

"Jon Leyne, terá que deixar o Irã dentro das próximas 24 horas por acusações de transmissão de notícias fabricadas, desconsiderar neutralidade das notícias, apoiar manifestantes e prejudicar os direitos da nação iraniana", informa a agência de notícias semi-oficial Fars News, sem citar fontes.

Leyne é correspondente fixo da BBC em Teerã e transmite boletins de rádio, televisão e internet. Em nota oficial, a corporação lamentou o pedido do Irã.

A imprensa internacional está sujeita a restrições determinadas pelo Irã na realização de reportagens, filmagens e fotos em Teerã.

"Maior prisão do mundo"

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) havia denunciado no sábado o aumento da repressão no Irã, país ao qual definiu como "a maior prisão do mundo para os jornalistas".

"A repressão aumentou ainda mais" depois que o líder supremo da Revolução, o aiatolá Ali Khamenei, confirmou a surpreendente vitória do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, nas eleições presidenciais de 12 de junho, afirmou o comunicado divulgado pela organização.

Segundo os Repórteres Sem Fronteiras, já são 30 os "jornalistas e ciberdissidentes" que foram presos em território iraniano desde as eleições e "a violência das manifestações" que acontecem nestes dias em Teerã faz temer que aumente o número de detenções de iranianos e as expulsões de correspondentes estrangeiros.

O regime iraniano, acrescenta a nota, "não pode tolerar" que o mundo veja o que está acontecendo e, por isso, quer silenciar a imprensa.

"A comunidade internacional não pode ignorar mais a situação", segundo a organização, que considera que deve haver "uma reação clara e unânime" que esteja à altura da gravidade dos eventos destes dias.

A organização reiterou que vários locais sobre os quais não se tem notícias há dias e entre os quais alguns estão presos e foram vítimas de tortura.

A organização denuncia que a televisão estatal está atribuindo informações falsas aos candidatos da oposição e que os jornalistas estrangeiros sofrem pressões para que não transmitam as opiniões dos opositores.

(*com informações das agências Reuters e Efe)

Vídeo é divulgado por manifestantes no YouTube:

Análises:

Leia mais sobre: Irã

    Leia tudo sobre: confrontoirãjornalista

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG