direitos - Mundo - iG" /

Irã está disposto a negociar, mas sem renunciar a seus direitos

O Irã está disposto a negociar com as grandes potências, mas sem renunciar a seu direito de dar continuidade ao programa nuclear, declarou neste sábado o porta-voz do governo iraniano, Gholamhossein Elham.

AFP |

"O Irã não retrocederá sobre seus direitos em matéria nuclear. A vontade do povo iraniano é sólida e continuará conforme os princípios definidos pelo guia supremo", o aiatolá Ali Khamenei, declarou Elham.

Elhan deu estas declarações na entrevista semanal à imprensa, um dia depois de o Irã ter respondido à proposta das grandes potências para interromper o enriquecimento de urânio.

"O Irã insiste em que as negociações (com as grandes potências) respeitem seus direitos e que não sofra privações (de seus direitos) conforme as regras internacionais", acrescentou.

Segundo ele, o Irã está pronto para discutir "em especial com o grupo 5+1", os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e ALemanha", sobre os pontos comuns do pacote iraniano e da oferta das grandes potências.

O chefe da diplomacia da União Européia, Javier Solana, entregou, dia 14 de junho, em nome do grupo, uma proposta de cooperação ao Irã.

O Irã deu uma resposta a Solana na sexta-feira, indicou seu porta-voz, sem divulgar o conteúdo.

Em maio passado, o Irã enviou um "pacote" de propostas para "solucionar os problemas do mundo" aos membros do grupo 5+1.

A porta-voz Christina Gallach disse que Solana e o principal negociador iraniano em termos nucleares, Said Jalili, "tiveram sexta-feira uma conversa positiva e construtiva".

Solana deixou aberta a possibilidade de um período de pré-negociação, durante o qual as grandes potências não reforçariam as sanções e o Irã não poderia ligar novas centrífugas de enriquecimento de urânio, segundo fontes da diplomacia.

A proposta apresentada em meados de junho é uma versão ligeiramente corrigida de uma proposta feita em junho de 2006 por Solana, e recusada pelos iranianos.

O Conselho de Segurança da ONU adotou depois três resoluções, nas quais se incluem sanções, e convida o Irã a interromper o enriquecimento.

Uma esperança de desbloquear estas discussões surgiu na sexta-feira com a publicação de um texto de Ali Akbar Velayati, conselheiro do guia supremo, defendendo um "compromisso" entre Irã e os outros países sobre o assunto nuclear.

aet-sgh/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG