Irã enforca mulher por assassinato cometido quando era menor

TEERÃ (Reuters) - O Irã executou uma mulher condenada pelo assassinato do primo de seu pai quando ela tinha 17 anos, afirmou a imprensa iraniana neste sábado. Grupos defensores dos direitos humanos criticaram a execução na sexta-feira de Delara Darabi, 23, na cidade de Rasht, norte do país.

Reuters |

"Delara Darabi, pintora acusada de assassinato, foi executada na manhã de sexta-feira na prisão de Rasht sem ter seu advogado e sua família avisados de sua execução", informou o jornal Etemad neste sábado.

A presidência tcheca da União Europeia condenou fortemente a execução de Darabi e pediu que o Irã "evite execuções juvenis".

"Tais violações dos direitos humanos corroem as bases para a compreensão e entendimento mútuo entre o Irã e a União Européia", afirmou a presidência em comunicado.

O Etemad afirmou que Darabi foi mantida presa por cinco anos e que inicialmente confessou o assassinato porque acreditava que seria perdoada uma vez que o crime foi cometido quando era menor de idade.

"A Anistia Internacional está ultrajada com a execução de Delara Darabi, particularmente com a notícia de que seu advogado não foi informado sobre a execução", pontuou a instituição em seu site.

Grupos defensores de direitos humanos criticaram o Irã por sentenciar menores de idade à morte. O Irã afirmou que somente leva a cabo a pena de morte quando o prisioneiro atinge os 18 anos.

O país executou pelo menos 42 jovens criminosos desde 1990, incluindo sete em 2007, segundo grupos que afirmam que a Arábia Saudita e o Iêmen são os outros dois únicos países com tal prática.

Assassinato, estupro, adultério, roubo a mão armada, tráfico de drogas e apostasia são todos passíveis de punição com sentença de morte segundo a lei sharia do Irã.

Grupos de direitos humanos elogiaram o Irã quando este pareceu ter acabado com tais práticas em outubro de 2007. Mas um representante judicial esclareceu posteriormente a posição do Irã afirmando que os criminosos juvenis poderiam ainda enfrentar execução por assassinato, mas não pelos outros crimes capitais.

O Irã regularmente rejeita acusações de violação dos direitos humanos, afirmando que está seguindo a sharia islâmica e acusa governos ocidentais de serem ambíguos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG