Irã eleva eficácia de seu enriquecimento de urânio, diz AIEA

Segundo agência da ONU, país passa a utilizar segundo conjunto de centrífugas para enriquecer urânio a 20%

Reuters |

O Irã começou a usar máquinas para enriquecer material nuclear com mais eficácia, afirmou a agência nuclear da ONU nesta segunda-feira.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) disse que o Irã está usando um segundo conjunto, ou "cascata", de centrífugas em sua usina piloto de Natanz para enriquecer urânio até 20% de pureza. O processo aumenta as preocupações no Ocidente de que o país esteja interessado em desenvolver armas nucleares.

"A AIEA pode confirmar que em 17 de julho, quando inspetores seus estiveram na usina piloto, o Irã estava alimentando de material nuclear as duas cascatas interligadas, de 164 centrífugas", disse a porta-voz Gill Tudor, confirmando relato apresentado na semana passada pelo Instituto de Ciência e Segurança Internacional, entidade com sede em Washington.

Tudor acrescentou que isso "contraria as resoluções do Conselho de Segurança da ONU de que o Irã deve suspender todas as atividades relacionadas ao enriquecimento".

O Irã vem produzindo urânio de baixo enriquecimento há algum tempo e anunciou em fevereiro que começara a enriquecer urânio a 20% para produzir combustível para um reator de pesquisas médicas. O governo iraniano diz que o trabalho tem objetivos apenas pacíficos.

O uso de duas cascatas permite que urânio de baixo enriquecimento que tenha sobrado seja recolocado nas máquinas, obtendo o potencial pleno do material e tornando o trabalho mais eficiente. Sob o esquema atual, a produção e o nível de enriquecimento permanecem iguais, e o trabalho é monitorado pela AIEA.

Mas o Ocidente teme que o Irã tenha o objetivo de armazenar material nuclear para depois enriquecê-lo até um grau de pureza de 90%, o nível necessário para uma arma nuclear.

Analistas dizem que, agora que o Irã alcançou a marca dos 20% de pureza, pode avançar para um grau de pureza compatível com a produção de armas em questão de meses apenas, já que o enriquecimento até um nível baixo de pureza é a etapa mais demorada e tecnicamente difícil do processo.

    Leia tudo sobre: irãquestão nuclearurânio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG