PARIS (Reuters) - O Irã é proprietário, há mais de 30 anos, de 10 por cento de uma fábrica francesa que produz um quarto do urânio enriquecido do mundo, disse na terça-feira a empresa Areva, que faz reatores nucleares. Confirmando reportagem do semanário satírico francês Le Canard Enchainé, a estatal Areva disse ser dona do resto da usina Eurodif, construída no começo da década de 1970.

Na edição que chega às bancas na quarta-feira, o semanário afirma que o xá (rei) do Irã adquiriu essa participação numa época em que seu país começava a se voltar para a energia nuclear a fim de reduzir sua dependência em relação à produção de petróleo.

"O Irã jamais recebeu um único grama de urânio enriquecido da França," disse uma porta-voz da Areva. "O Irã é um sócio oculto na Eurodif," afirmou ela, acrescentando que tampouco houve transferência de tecnologia para o país, que desde 2007 está submetido a sanções da ONU por causa do seu programa nuclear.

Os governantes da França, dos EUA e da Grã-Bretanha acusaram na semana passada o Irã, durante a cúpula do G20 em Pittsburgh, de construir há anos uma fábrica secreta de combustível nuclear.

Países ocidentais acusam o Irã de tentar desenvolver armas nucleares e exigem que o país cumpra com as regras internacionais de não-proliferação nuclear. Teerã afirma que seu objetivo é apenas gerar eletricidade com fins civis, e diz que não abrirá mão do seu direito à energia atômica.

"Essa participação nunca foi escondida e há uma completa transparência a respeito da participação acionária," disse a porta-voz da Areva.

(Reportagem de Muriel Boselli)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.