Irã dá um passo atrás nomeando Vahidi para a Defesa (EUA)

Os Estados Unidos estimaram nesta quinta-feira que o Irã dava um passo atrás nos esforços para sair de seu isolamento, ao nomear o ministro da Defesa Ahmad Vahidi, procurado por seu eventual envolvimento num atentado na Argentina, segundo um funcionário americano.

AFP |

O novo ministro iraniano da Defesa, Ahmad Vahidi, com candidatura aprovada pelo Parlamento nesta quinta-feira, é procurado pela Interpol desde 2007 por suposto envolvimento no atentado contra a organização judaica AMIA em 1994 em Buenos Aires, que deixou 85 mortos.

Dos 21 ministros que solicitaram a confiança do Parlamento, o general Vahidi foi o mais votado (227 de 286). Sua designação havia sido saudada no Parlamento com gritos de "Morte a Israel".

"É uma bofetada decisiva" ao Estado hebreu, comentou o novo ministro à AFP após a votação dos deputados.

Líderes da comunidade judaica argentina, a segunda maior da América depois da dos Estados Unidos, denunciaram rapidamente a aprovação da candidatura de Vahidi.

A nomeação "é mais uma provocação do presidente (do Irã Mahmud) Ahmadinejad", criticou Julio Schlosser, secretário-geral da Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA).

Ahmadinejad e o Irã "estão premiando uma pessoa acusada de ter cometido um dos piores atentados já perpetrados em solo argentino", lamentou.

A designação de Vahidi é "uma ofensa, uma afronta para a sociedade judaica e o mundo democrático", insurgiu-se Aldo Donzis, presidente da Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA), braço político da comunidade judaica argentina, que tem cerca de 300.000 membros.

lc/eg/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG