Copenhague, 17 dez (EFE).- O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, culpou hoje em Copenhague o materialismo insaciável do modelo capitalista das potências ocidentais pela mudança climática.

Ahmadinejad discursou na etapa de alto nível da Cúpula da ONU sobre Mudança Climática, que reunirá até amanhã 119 chefes de Estado e de Governo, e aproveitou para reiterar suas críticas à política externa dos Estados Unidos.

Segundo ele, o aquecimento global é resultado "das crenças egoístas e megalômanas" de "alguns países" que "buscam controlar a riqueza de recursos" de outros.

O presidente iraniano admitiu que uma das causas do aquecimento global é o consumo de petróleo - um dos principais recursos de seu país -, mas atribuiu a responsabilidade de seu uso ao "capitalismo" que, para sobreviver, precisa "usar combustível barato e destruir a natureza".

Ahmadinejad acusou Washington de tentar "dominar fontes energéticas" no exterior e justificou dizendo que apesar de contar só com 5% da população mundial, os EUA consomem 25% do petróleo global, 18% da madeira e 14% da água.

O líder iraniano assegurou que Washington, ao não fazer uma "proposta vinculativa" em escala global, "frustra a vontade mundial" de manter as emissões poluentes "sob controle".

Para o presidente iraniano, a "única solução" para o aquecimento global é que a humanidade "retorne ao humanitarismo e aos valores divinos" a fim de "deter a degradação meio ambiental".

"A mudança climática deixa a cada ano mil vezes mais vítimas que os ataques terroristas", afirmou. EFE nvm/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.