Irã critica sentença britânica que não considera terrorista grupo opositor

Teerã, 12 mai (EFE).- O Ministério de Assuntos Exteriores do Irã convocou hoje o embaixador britânico no país, Geoffrey Adams, para protestar contra a recente decisão de um tribunal britânico, que considerou que o grupo opositor iraniano Mujahedin Khalq não era terrorista.

EFE |

O diretor do departamento relacionado a questões européias do Ministério, Mahdi Safari, apresentou um protesto formal perante a delegação diplomática britânica, e assinalou que a sentença, ditada na quarta-feira passada pelo Tribunal de Apelação, "mostra uma política contraditória".

"Essa decisão da Justiça britânica contradiz a política de um país europeu que alega lugar contra o terrorismo", disse o responsável iraniano.

Por sua parte, o embaixador britânico reafirmou que não houve mudança na postura do Governo de seu país a respeito do caráter terrorista do Mujahedin Khalq.

Esse grupo apareceu como um movimento de oposição durante o regime do Xá Mohamad Reza Pahlevi, e após a Revolução Islâmica -que derrubou o regime monárquico em 1979-, se tornou a principal organização opositora ao regime xiita de Teerã.

Segundo diversos analistas políticos, o grupo, considerado terrorista por União Européia e EUA, não goza de grande apoio popular no Irã desde que seus milicianos no Iraque apoiaram este país durante a guerra entre Irã e Iraque (1980-88). EFE msh/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG