Irã critica Arábia Saudita por eventual aumento de produção

Reino saudita indica que pode aumentar produção para compensar embargo contra produto do Irã por seu programa nuclear

iG São Paulo |

O Irã classificou de "gesto hostil" o anúncio da Arábia Saudita de que poderia aumentar sua produção de petróleo para compensar um eventual embargo do petróleo iraniano em caso de sanções internacionais. "Esses sinais são inamistosos e convidamos os responsáveis da Arábia Saudita a refletir mais", disse o ministro das Relações Exteriores Ali Akbar Salehi em declarações à rede de televisão Al Alam.

Leia também: Japão se compromete a cortar importação de petróleo iraniano

Na segunda-feira, o ministro saudita disse que seu país poderia compensar rapidamente as exportações de petróleo do Irã caso as potências ocidentais aplicassem novas sanções contra Teerã por seu controverso programa nuclear.

Salehi se mostrou confiante de que a questão referente ao aumento da produção de petróleo se trate apenas da "opinião de Naimi" e que certamente o governo saudita tem outra postura.

O Irã é alvo de polêmica por seu programa nuclear que, segundo parte da comunidade internacional - com os EUA à frente -, tem finalidade militar , o que Teerã nega. O país persa afirma que seu programa é exclusivamente civil e com objetivos pacíficos.

Saiba mais: Irã trabalha para ter armas nucleares, diz agência da ONU

Uma autoridade dos EUA pediu nesta terça-feira que a Coreia do Sul reduza suas importações de petróleo cru do Irã, aumentando a pressão no país. A Coreia do Sul restringiu suas transações financeiras com mais de 200 grupos e indivíduos com supostas relações com o programa nuclear iraniano. Mas Seul, que conta com Teerã por até 10% dos seus fornecimento do petróleo, ainda não anunciou se comprará menos petróleo cru do país.

Os EUA aumentaram sua pressão diplomática nos aliados após ter, recentemente, imposto sanções contra o Banco Central iraniano . O Japão e outros países estão avaliando se reduzirão as importações do Irã, e a União Europeia considera um embargo ao petróleo do país.

"Pedimos a todos os nossos parceiros que nos ajudem, que trabalhem conosco e coloquem uma pressão no governo do Irã para negociar seriamente. Particularmente pedido que reduzam sua compra de petróleo cru do Irã e revertam os acordos financeiros com o Banco Central iraniano", disse Robert Einhorn, o assessor especial do Departamento de Estado.

*Com AP

    Leia tudo sobre: coreia do sulirãpetróleoarábia sauditaeuaprograma nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG