Tamanho do texto

Por Fredrik Dahl e Parisa Hafezi TEERÃ (Reuters) - O principal órgão legislativo do Irã, o Conselho dos Guardiões, confirmou nesta segunda-feira a vitória do presidente Mahmoud Ahmadinejad na contestada eleição de 12 de junho, apesar das alegações de irregularidades por parte da oposição.

Antes da confirmação, que já era amplamente esperada, policiais antidistúrbios foram deslocados para as principais vias e praças da capital Teerã, onde irromperam as manifestações de protestos depois que Ahmadinejad foi declarado o vencedor da votação, disseram testemunhas.

"O secretário do Conselho dos Guardiões anuncia a decisão final do Conselho em uma carta ao Ministro do Interior... e declara sua aprovação à exatidão dos resultados da eleição presidencial", informou a TV estatal Irib.

A mídia estatal afirma que 20 pessoas morreram na violência pós-eleitoral, nos piores tumultos desde a revolução de 1979 que derrubou o xá e estabeleceu a República Islâmica.

O Conselho concordou em recontar aleatoriamente 10 por cento dos votos depois dos protestos, que expuseram fissuras na liderança religiosa e foram reprimidos pela milícia pró-governamental Basij e a polícia antidistúrbios.

Membros da oposição afirmam que a votação foi fraudada em favor do presidente Ahmadinejad, um ultraconservador, em detrimento de seus rivais reformistas, entre os quais Mirhossein Mousavi, que ficou em segundo lugar.

O governo e Mousavi trocaram acusações pela violência que se seguiu aos protestos. Mousavi rejeitou a idéia de recontagem, dizendo que a votação deveria ser completamente anulada.

O clérigo pró-reformista Mehdi Karoubi, quarto colocado na contagem oficial, também afirmou que a anulação era "o único meio de retomar a confiança popular."

Os protestos de rua elevaram a tensão nas relações com o Ocidente, em especial com a Grã-Bretanha, que rejeitou acusações de que sua embaixada encorajou a oposição.

O Irã prendeu nove funcionários da embaixada, mas libertou cinco nesta segunda-feira.

Em declarações prévias ao anúncio do Conselho dos Guardiões, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, disse que o Grupo dos Oito, que reúne as potências econômicas, deve provavelmente adotar novas sanções contra o Irã quando se reunir na semana que vem na Itália, mas não entrou em detalhes.

Em uma indicação, no início do dia, de que a recontagem não iria questionar a vitória de Ahmadinejad, a agência estatal de notícias Irna informou que a nova apuração em um distrito de Teerã deu a ele mais votos do que o obtido inicialmente.

Testemunhas relataram o aumento da presença policial em algumas praças de Teerã antes do anúncio do Conselho. Uma delas viu dezenas de policiais se dirigindo em veículos para o sul da capital. Uma outra afirmou que a presença policial era mais ostensiva na parte norte da Vali-ye Asr, o mais famoso boulevard da cidade. O norte de Teerã, relativamente próspero, é um reduto dos partidários de Mousavi.

Os telefones celulares não estavam operando no início da noite na capital.

(Reportagem de Fredrik Dahl e Parisa Hafezi em Teerã; Kate Kelland em Londres; e Gavin Jones em Roma)