Irã condena líder reformista a seis anos de prisão, diz agência

TEERÃ (Reuters) - Um líder reformista, ex-porta-voz do governo detido após a polêmica eleição iraniana de junho, foi sentenciado a seis anos de prisão, informou uma agência parcialmente oficial nesta quinta-feira. A agência de notícias Fars disse que Abdullah Ramezanzadeh, que apoiou o líder opositor Mirhossein Mousavi nas eleições presidenciais, foi condenado pela corte revolucionária por acusações que incluem ações contra a segurança nacional e propaganda contra o sistema islâmico.

Reuters |

Ramezanzadeh, que foi porta-voz do governo entre 1997 e 2005 durante a presidência de Mohammad Khatami, é um dos vários líderes reformistas e ativistas detidos após as eleições por acusações de fomentar protestos.

"Baseado na decisão da corte, Ramezanzadeh foi condenado a uma sentença de seis anos de prisão obrigatória", disse um comunicado da corte citado pela Fars, que não informou a data da decisão.

Geralmente, cortes revolucionárias tratam de casos de segurança.

No mês passado, a imprensa iraniana disse que o reformista e ex-vice-presidente Mohammad Ali Abtahi também foi sentenciado a seis anos de prisão. Após pagamento de fiança de 700.000 dólares, ele foi liberado.

Milhares de pessoas foram detidas após as eleições presidenciais. Líderes da oposição afirmam que o pleito foi fraudado pelo presidente, Mahmoud Ahmadinejad, mas a acusação é negada pelas autoridades.

A maioria delas já foi libertada, mas mais de 80 foram condenadas à até 15 anos de prisão por participação nos protestos e na violência após o pleito, segundo o Judiciário. Cinco pessoas foram condenadas à morte.

(Reportagem de Hashm Kalantari)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG