Irã aumenta repressão antes de eleições legislativas, diz Anistia

Organização afirma que prisões e restrições à internet tiveram 'dramática escalada' por causa da votação de sexta-feira

iG São Paulo |

O Irã teve uma "dramática escalada" na repressão contra dissidentes com a aproximação das eleições legislativas, afirmou a Anistia Internacional nesta terça-feira. De acordo com o grupo de defeda dos Direitos Humanos, advogados, estudantes e jornalistas estão sendo presos e a comunicação online enfrenta restrições mais duras.

Leia também: Eleição e economia representam novos desafios para o Irã

AP
Mulher passa por pôsteres de candidato às eleições legislativas do Irã na capital, Teerã

As eleições parlamentares, marcadas para sexta-feira, serão a primeira votação nacional realizada no Irã desde a contestada reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em 2009, que deu início a oito meses de protestos reprimidos com violência pelo governo.

"Nos dias de hoje, no Irã, você se coloca em risco caso faça qualquer coisa que está fora dos cada vez mais restritos limites que as autoridades acreditam ser socialmente e politicamente aceitáveis", afirmou a especialista em Oriente Médio da Anistia Internacional, Ann Harrison.

Segundo a Anistia, os alvos do governo iraniano são principalmente advogados, estudantes, jornalistas, ativistas políticos e seus parentes, minorias étnicas e religiosas, cineastas e indivíduos com conexões internacionais.

O grupo de Direitos Humanos disse que o aumento da repressão "expõe o vazio das afirmações do Irã em apoio aos protestos no Oriente Médio e Norte da África".

Segundo o grupo, milhões de iranianos têm experimentado interrupções em suas caixas de email e acesso à internet com a aproximação das eleições. Problemas estão acontecendo até em sites acessados por meio de redes privadas, usadas por muitos iranianos para driblar os filtros do governo.

A organização fez um apelo para que outros países não permitiam que as tensões com o programa nuclear iraniano distraiam-nos de pressionar o país a cumprir suas obrigações com os Direitos Humanos.

Com Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG