Irã anuncia que nova usina nuclear será supervisionada pela AIEA

O Irã, pressionado pelas grandes potências para que esclareça a existência de uma segunda usina de enriquecimento de urânio, assegurou neste sábado que essa instalação será colocada sob supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), com a qual fixará uma data para uma visita de inspeção.

AFP |

A revelação na sexta-feira da existência dessas instalações, situadas a cem quilômetros de Teerã, acentuou a pressão internacional sobre o Irã, ameaçado com novas sanções por causa de seu controvertido programa nuclear, a poucos dias de uma reunião no dia 1º de outubro com as seis grandes potências mundiais.

"A nova instalação será mantida sob a supervisão da AIEA. Vamos enriquecer urânio em no máximo 5%", declarou Salehi, chefe da Organização Iraniana de Energia Atômica (OIEA), desmentindo qualquer natureza "militar" da usina, que se junta à de Natanz (centro) e começará a funcionar "aproximadamente dentro de dois anos".

"Se a instalação for de natureza militar, como explicar que ficará sob a supervisão da AIEA?", perguntou.

Pouco antes, Salehi havia afirmado que o Irã fixaria com a AIEA uma data para a visita de inspetores a sua nova usina de enriquecimento de urânio.

O presidente (Mahmud Ahmadinejad) afirmou que não tínhamos problemas com uma inspeção conforme as normas. Conversaremos com a Agência sobre esse assunto, e a data da inspeção será anunciada posteriormente, assegurou.

"A usina fica localizada na estrada entre Teerã e Qom. A 100 quilômetros de Teerã, e posteriormente serão fornecidos maiores detalhes sobre a usina", acrescentou Salehi.

Em uma declaração concedida à agência semioficial Fars, o chefe de gabinete do guia supremo, o aiatolá Mohammad Mohammadi Golpayegani, havia declarado antes que o novo complexo, que ainda se encontra em construção, estará em condições de funcionar "em breve".

Ahmadinejad afirmou que a nova instalação é "perfeitamente legal", enquanto que Estados Unidos, França e Grã-Bretanha instaram o Irã a revelar todas as suas atividades nucleares sob a ameaça de sanções.

O presidente norte-americano Barack Obama advertiu neste sábado que o Irã deverá provar as "intenções pacíficas" na reunião de Genebra de 1º de outubro com as potências mundiais do grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha).

Em uma primeira reação relacionada a essa nova usina, Israel exigiu "uma resposta sem equívocos" por parte das grandes potências, declarou o ministro israelense das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman.

"As revelações sobre esta segunda usina de enriquecimento nuclear no Irã mostram sem a menor dúvida que esse país quer se dotar da arma atômica, e nós esperamos que no dia 1º de outubro seja dada uma resposta sem equívocos", disse Lieberman em declarações à rádio estatal israelense.

Paralelamente aos anúncios de Salehi, os Guardiães da Revolução, exército ideológico do regime iraniano, anunciaram que efetuarão a partir de domingo manobras que incluem lançamentos de mísseis "para manutenção e aperfeiçoamento" das capacidades de dissuasão das Forças Armadas.

"As forças aéreas dos Guardiães da Revolução iniciarão durante a manhã (domingo) manobras de defesa que incluem lançamentos de mísseis com o objetivo de realizar a manutenção e aperfeiçoar as capacidades de dissuasão das Forças Armadas do país", informou o Exército em um comunicado divulgado neste sábado pelas agências de notícias Isna e Fars.

bur-tp/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG