Irã anuncia produção de baterias antiaéreas semelhantes às S-300

Teerã, 8 fev (EFE).- O Irã começará a produzir em breve baterias antiaéreas semelhantes às russas do modelo S-300, assegurou hoje o subcomandante chefe do quartel-general de defesa aérea, Heshmatollah Kasiri.

EFE |

Em declarações reproduzidas pela agência de notícias estatal "Irna", ele disse que seu país é "auto-suficiente" em matéria de defesa antiaérea, embora tenha assinado um contrato com a Rússia para a compra das baterias antiaéreas S-300.

"Hoje em dia produzimos todo o equipamento necessário para a defesa antiaérea e não necessitamos de país algum. Decidimos importar da Rússia apenas o sistema S-300, que não nos foi entregue ainda por razões inaceitáveis", afirmou.

"Mas encontramos a solução e nossos cientistas da indústria de defesa antiaérea iniciarão em um futuro próximo a produção de um sistema parecido ao S-300, ou ainda mais potente", acrescentou.

Além disso, o general Kasiri anunciou igualmente que o Irã já atingiu a auto-suficiência na produção de mísseis do modelo Hawk e de diferentes tipos de radares.

Fontes militares russas afirmaram meses atrás que Moscou e Teerã assinaram em 2007 o contrato para a venda de cinco sistemas S-300 no valor de US$ 800 milhões.

Segundo a agência "Interfax", os S-300 estão armazenados nas instalações do Ministério de Defesa russo à espera do cumprimento do contrato.

No entanto, a operação foi "congelada" pelo Kremlin por motivos políticos na nova etapa de relações com os Estados Unidos, mas o Serviço Federal de Cooperação Militar assegurou há pouco que Moscou não renunciou de forma definitiva à operação.

Washington se opõe à venda desse armamento de Moscou a Teerã, da mesma forma que Israel, como deixou claro em sua recente visita a Moscou a atual líder da oposição e ex-ministra de Exteriores, Tzipi Livni.

Os móveis S-300 são considerados muito mais potentes que os também sistemas antiaéreos Tor M-1 que o Irã comprou da Rússia por quase US$ 1 bilhão em 2005, contrato que Israel descreveu como uma "punhalada pelas costas".

O Irã deseja proteger com os sistemas antiaéreos russos suas instalações estratégicas - administrativas, industriais e militares -, em caso de ataque por parte dos EUA ou de Israel. EFE msh/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG