Irã anuncia novos avanços em seu programa nuclear

O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, inaugurou nesta quinta-feira em Ispahan (centro) a primeira usina de fabricação de combustível nuclear, uma nova etapa importante do controvertido programa nuclear iraniano.

AFP |

Com a inauguração desta usina, Teerã afirma controlar agora o ciclo da fabricação de combustível nuclear.

O Irã também testou dois novos tipos de centrífugas "de uma capacidade várias vezes superior às atuais", destacou Ahmadinejad durante um discurso pronunciado por ocasião do "Dia nacional da energia atômica".

A República Islâmica instalou "cerca de 7.000 centrífugas em Natanz (centro), e este número chegará a 50.000 durante o programa quinquenal", declarou, por sua vez, Gholamreza Aghazadeh, da Organização Iraniana da Energia Atômica (OIEA).

Questionada pela AFP, a Agência Internacional da Energia Atômica (AIEA) se recusou a comentar estes números.

Em relatório publicado no dia 19 de fevereiro, a AIEA afirmou que o Irã possuia 3.964 centrífugas em atividade, 1.476 máquinas em fase de testes e 125 centrífugas já instaladas, mas ainda desativadas.

Os Estados Unidos receberam com "cepticismo" o anúncio sobre as 7.000 centrífugas.

"O Irã já alegou várias vezes no passado dispor de quantidades de centrífugas que não condiziam com as informações da AIEA", frisou Robert Wood, porta-voz do departamento de Estado.

De acordo com a agência de notícias Mehr, a fábrica inaugurada em Ispahan tem uma capacidade de produção anual de 10 toneladas de combustível nuclear para alimentar o reator de água pesada de 40 megawatts de Arak, atualmente em construção na província de Markazi (centro), e4 de 30 toneladas de combustível para os futuros reatores de água leve.

O ciclo do combustível nuclear inclui a usina de UF6 (hexafluoreto de urânio), também em Ispahan, cuja produção é utilizada para obter urânio enriquecido fabricado na usina de Natanz.

Este urânio deve ser utilizado em seguida na nova usina de Ispahan para fabricar combustível nuclear para as futuras centrais nucleares do país.

A usina de fabricação de combustível nuclear de Ispahan foi inaugurada um dia depois de o grupo dos seis países envolvidos nas negociações sobre o programa nuclear iraniano (Rússia, China, França, Estados Unidos, Alemanha e Grã-Bretanha) ter anunciado a intenção de convidar o Irã para um encontro direto com o objetivo de conversar sobre o polêmico programa.

"Esta proposta deve ser estudada. Trata-se de uma proposta construtiva, que mostra uma mudança de atitude", elogiou Ali Akbar Javanfekr, conselheiro de Ahmadinejad, em declarações à AFP.

O presidente iraniano afirmou nesta quinta-feira que "o Irã continua buscando um diálogo lógico", ressaltando que seu país não aceitará "negociações conduzidas num ambiente de intimidação".

O grupo de seis países elogiou a atitude do presidente americano Barack Obama, que estendeu a mão ao Irã e expressou o desejo de participar das futuras negociações com os representantes iranianos.

"Exortamos firmemente o Irã a aproveitar a oportunidade para assumir um compromisso sério com todos nós, num espírito de respeito mútuo", destacaram os seis.

Entretanto, o Irã reafirmou a intenção de seguir adiante com seu programa nuclear, insistindo em sua natureza pacífica.

fpn/yw

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG