Irã anuncia construção de segunda usina de enriquecimento de urânio

O Irã anunciou à Agência Internacional de Energia Atômica que está construindo uma segunda usina de enriquecimento de urânio, além da central de Natanz, informou a agência em Viena.

AFP |

"Em 21 de setembro, o Irã informou à AIEA em uma carta que o país está construindo uma nova usina de enriquecimento de urânio", afirmou o porta-voz da agência da ONU, Marc Vidricaire, em um comunicado.

"Nesta carta, o Irã assegura à agência que informações complementares serão fornecidas no 'momento apropriado'", acrescenta a noita de Vidricaire.

"Em sua resposta, a AIEA pediu ao Irã que apresente informações específicas e conceda acesso à instalação o mais rápido possível. Isto permitirá à agência avaliar os requisitos para a verificação da proteção desta instalação", completa.

A localização dessa nova instalação não é detalhada na carta de Teerã, mas, segundo a edição desta sexta do New York Times, ela pode ficar perto da cidade de Qom, 160 km a sudoeste da capital iraniana.

Até agora, o Irã tinha apenas uma usina de enriquecimento de urânio em funcionamento, em Natanz.

A carta destaca que o nível de enriquecimento seria de até 5,0%, que é um nível baixo de enriquecimento e não elevado o suficiente elevado para fabricar o material físsil de uma bomba atômica.

O urânio pouco enriquecido é utilizado para fabricar combustível nuclear.

"A agência também entende que segundo o Irã não foi introduzido material nuclear na instalação", completa o comunicado.

Esta revelação acontece a alguns dias da reunião prevista para 1o. de outubro, em Genebra, entre os representantes iranianos e o grupo dos 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha).

Segundo o New York Times, o Irã enviou a carta à AIEA no momento em que os Estados Unidos, através do presidente Barack Obama, se dispunha a revelar a construção do novo centro nuclear.

De fato, Obama, à margem da cúpula do G20 em Pittsburgh (leste dos Estados Unidos), denunciou em uma declaração conjunta com seu colega francês Nicolas Sarkozy e o primeiro-ministro britânico Gordon Brown, construção de uma segunda usina de enriquecimento de urânio no Irã e ameaçou o regime de Teerã com novas sanções.

A existência desta segunda instalação, que foi ocultada durante anos e não é compatível com um programa civil, denunciou Obama na declaração conjunta.

Sem mudanças na atitude do regime de Teerã, o país fica exposto a sanções, declarou, por sua vez, Sarkozy.

A Grã-Bretanha é partidária de sanções mais severas, completou em seguida Brown.

Os países ocidentais e Israel suspeitam que o Irã tenha um programa nuclear secreto com fins militares, o que Teerã nega.

Já o diretor da Organização de Energia Atômica Iraniana (OIEA), Ali Akbar Salehi, afirmou que a segunda usina nunca foi um segredo, em resposta aos protestos internacionais.

"Esta instalação não é um segredo e por isso sua existência foi anunciada à AIEA", afirmou.

Por fim, o presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, negou que seu país tenha ocultado aspectos de seu programa nuclear, em uma entrevista à revista americana Time divulgada nesta sexta-feira.

"Não temos secretos, trabalhamos de acordo com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica)", afirmou, advertindo ao presidente Barack Obama que abstenha de fazer comentários sobre o tema.

"Se eu fosse assessor de Obama, aconselharia que não fizesse comentário porque seria um erro. Definitivamente, seria um erro".

ab/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG