Irã ajudou a selar trégua em Bagdá, diz parlamentar iraquiano

Por Waleed Ibrahim BAGDÁ (Reuters) - O Irã teve uma participação fundamental na trégua selada por facções xiitas do Iraque colocando fim a sete semanas de conflito no reduto, em Bagdá, do clérigo Moqtada al-Sadr, afirmou na segunda-feira um importante parlamentar xiita.

Reuters |

Segundo Ali al-Adeeb, membro da aliança xiita que comanda o governo do Iraque atualmente, uma delegação iraquiana que visitou Teerã quase duas semanas atrás pediu ajuda aos iranianos, que teriam influência sobre o movimento de Sadr.

Os comentários do parlamentar, considerado uma figura próxima do primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, apontam para o peso cada vez maior do Irã, um Estado xiita, dentro do país vizinho e podem causar desconforto nos EUA.

O acordo que encerrou os combates entre as forças de segurança e membros do grupo de Sadr, um clérigo anti-americano, veio a público no sábado. O anúncio apareceu depois de negociações entre a aliança governista xiita e o movimento político de Sadr, que ocupa algumas cadeiras no Parlamento.

'Os iranianos responderam de forma positiva aos pedidos feitos pela delegação. Eles repassaram esses pedidos aos líderes sadristas porque possuem uma influência específica sobre esse pessoal', disse à Reuters Adeeb, que integrou a delegação iraquiana.

O parlamentar não especificou se as autoridades iranianas conversaram com o clérigo, que, segundo as Forças Armadas dos EUA, moraria no Irã, onde estaria realizando estudos avançados sobre o islamismo.

O governo norte-americano, que critica o Irã por conta de seu programa nuclear, responsabilizou membros mais radicais da milícia Exército Mehdi, de Sadr, pela violência verificada no bairro Sadr City, reduto do clérigo em Bagdá.

Segundo os EUA, esses homens são armados, treinados e custeados pelo Irã. O governo iraniano nega as acusações e diz que a violência no Iraque advém da presença militar norte-americana.

Adeeb afirmou que a delegação reuniu-se com políticos e autoridades da área de segurança iranianos para discutir como restabelecer a ordem em Sadr City. Os combates iniciaram-se quando Maliki lançou uma operação militar contra as milícias, no final de março.

O parlamentar disse que, após a delegação iraquiana ter regressado a Bagdá, no começo de maio, foram realizadas negociações com o movimento político de Sadr. Essas discussões resultaram no acordo anunciado no sábado.

'Às negociações realizadas no Irã, seguiram-se mais negociações aqui em Bagdá com representantes do bloco sadrista', afirmou.

Questionado sobre se acreditava que os iranianos haviam pressionado Sadr para aceitar o acordo, Adeeb respondeu: 'Eu não quero falar em pressão. Mas os iranianos têm seu ponto de vista. Nós lhes dissemos que o fim da violência beneficiaria todos os envolvidos no Iraque'.

(Reportagem adicional de Fred Dahl em Teerã)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG