Irã afirma que continuará enriquecendo urânio

O embaixador do Irã ante a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) reiterou nesta segunda-feira que seu país continuará enriquecendo urânio apesar dos pedidos de suspensão feitos pelo Conselho de Segurança da ONU, segundo a agência iraniana ISNA.

AFP |

"Dizer que o Irã não executou a resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que pede a suspensão do enriquecimento de urânio não é lógico", declarou Ali Ashgar Soltanieh. "O Irã não vê nenhum motivo legal para fazer isso, dessa forma não pode renunciar a seu direito inegável e garantido pela carta da AIEA", acrescentou.

A Casa Branca advertiu nesta segunda-feira que o Irã enfrenta a possibilidade de novas sanções depois de conhecidas as novas conclusões da AIEA de que Teerã continua enriquecendo urânio.

"Pedimos ao Irã que suspenda as atividades de enriquecimento e reprocessamento de urânio, ante a possibilidade da implementação de sanções vigentes do Conselho das Nações Unidas e a imposição de novas sanções", afirmou o porta-voz Gordon Johndroe.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o organismo da ONU encarregado de temas nucleares, afirmou nesta segunda-feira que o Irã continua enriquecendo urânio em aberto desafio à comunidade internacional e lamentou não ter podido avançar em suas investigações sobre a suposta finalidade militar do programa nuclear iraniano.

"Ao contrário das decisões do Conselho de Segurança (da ONU), o Irã não suspendeu as atividades de enriquecimento de urânio", assegurou a AIEA em seu último informe sobre a crise nuclear no Irã publicado nesta segunda-feira.

A agência lamentou "não ter sido capaz de fazer progressos substanciais sobre os supostos estudos (referentes à desmilitarização do programa nuclear iraniano) e sobre outros aspectos-chave associados a este problema que continuam preocupando seriamente", acrescentou o texto.

Uma alta fonte da AIEA reconheceu que a situação referente às acusações contra o Irã, pelos supostos fins militares de suas atividades atômicas, se encontra "paralisada".

"Neste assunto particular, chegamos à paralisia", afirmou este responsável.

spm/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG