Irã afinal aceita ampliar monitoria nuclear, dizem diplomatas

Por Sylvia Westall VIENA (Reuters) - Com atraso de mais de dois meses, o Irã aceitou dar aos monitores da ONU mais acesso ao local onde começou a enriquecer urânio num grau mais elevado, segundo diplomatas.

Reuters |

Essas fontes disseram que a medida deveria ter sido tomada assim que o Irã começou a enriquecer urânio até 20 por cento de pureza, em fevereiro. O enriquecimento começou antes que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU) aumentasse sua vigilância no local.

"Em princípio, sim, concordamos em assegurar que solicitações legítimas e tecnicamente justificadas da AIEA sejam atendidas", disse o embaixador iraniano junto à agência, Ali Asghar Soltanieh.

Suspeitando que a real intenção do Irã seja desenvolver armas nucleares, potências ocidentais dizem que a nova fase do enriquecimento é "provocativa" e merece ser respondida com sanções da ONU.

O Irã diz que passou a enriquecer urânio a 20 por cento para alimentar um reator de pesquisas médicas em Teerã. Para desenvolver armas nucleares, o país teria de purificar o material a mais de 90 por cento. O Irã assegura que seu programa nuclear está voltado para fins pacíficos.

Em reuniões neste mês com funcionários da AIEA, o país concordou "em principio" com o reforço do monitoramento e com medidas adicionais para a fiscalização do material físsil, evitando seu desvio para fins militares, segundo diplomatas.

"Agora um acordo foi alcançado para medidas reforçadas de vigilância. Mas temos de ver se e quando elas serão colocadas em vigor", disse um diplomata ocidental.

A República Islâmica diz que sua decisão mostra que há cooperação com a AIEA. Diplomatas ocidentais saudaram a concessão, mas disseram que se trata de medidas rotineiras que Teerã vinha evitando.

Desde que a atividade de enriquecimento foi intensificada, a AIEA tentava melhorar o ângulo das câmeras de vigilância, colocar mais câmeras, fazer visitas frequentes e inspeções com pouco aviso prévio, além de instalar equipamentos para mensurar o nível de enriquecimento, segundo fontes diplomáticas.

A agência da ONU queria ter adotado essas providências antes que a nova fase do enriquecimento começasse.

Diplomatas dizem que Teerã está se mobilizando para evitar novas sanções da ONU. O chanceler Manouchehr Mottaki estará no domingo em Viena, onde fica a sede da AIEA.

(Reportagem adicional Mark Heinrich)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG