Irã acusa países ocidentais de manipular a ONU

Genebra, 1º mar (EFE).- O Irã acusou hoje os países ocidentais de manipularem a ONU e seus mecanismos de direitos humanos em nome de interesses políticos próprios, e de organizarem campanhas maciças contra os muçulmanos utilizando como pretexto a liberdade de expressão.

EFE |

Em seu discurso na abertura do Conselho de Direitos Humanos da ONU, o ministro de Assuntos Exteriores iraniano, Manouchehr Mottaki, acusou o Ocidente de "praticar uma discriminação baseada na religião e nas origens étnicas".

"Os muçulmanos e certas minorias étnicas são vítimas de discriminação e de agressões físicas e verbais no que se refere ao acesso a oportunidades de trabalho e moradia. Além disso, eles são privados de praticar sua religião em lugares públicos e não têm sua indumentária tradicional respeitada", disse o iraniano.

Mottaki também desafiou as autoridades de Reino Unido, Alemanha, França, Irlanda e Áustria a darem uma resposta "à opinião pública mundial" sobre a utilização de passaportes nacionais no assassinato do líder do Hamas, Mahmoud al-Mabhuh, achado morto em 20 de janeiro em um quarto de hotel em Dubai.

"Houve uma coordenação para esse crime? Eles têm que responder ao mundo", cobrou o chanceler iraniano.

Mottaki também mencionou a detenção, na semana passada, do líder do grupo sunita iraniano Yundulah, Abdul Malik Rigi, que, segundo Teerã, trabalhava para o serviço secreto americano.

O ministro insistiu nessa acusação, que se apoia em uma suposta foto de Rigi saindo de uma base militar americana no Afeganistão, e disse que assim é "difícil acreditar que (os EUA) lutam contra o terrorismo e o extremismo". EFE is/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG